Nova história em quadrinhos de Batman confirma que Robin é LGBTQIA+

No HQ, o fiel escudeiro do homem morcego compartilhara um momento de conexão inesperada com um amigo

Scottie Andrew, da CNN

Ouvir notícia

A última edição de uma série de quadrinhos do Batman confirma que Robin, o amável companheiro do homem morcego, é LGBTQIA+.

Tim Drake, um dos vários personagens que assumiram o manto de Robin nos quadrinhos, aceita um encontro com um amigo na nova edição de “Batman: Urban Legends”, série que estreou no início deste ano.

A página final da edição mostra Drake visitando seu amigo Bernard em sua casa depois que os dois compartilharam um momento de conexão inesperada (e Drake, como seu alter ego Robin, deve resgatar Bernard de um vilão). 

No último painel, Drake diz a Bernard, radiante, “Sim… sim, acho que quero isso” depois que Bernard o convida para sair.

Robin
Foto: Divulgação/DC Comics

“[A questão] aconteceu porque este é quem é Tim”, disse a escritora de quadrinhos Meghan Fitzmartin em uma entrevista ao Polygon.

Os fãs há muito tempo enxergam o companheiro leal de Batman como um personagem potencialmente gay desde que o primeiro Robin, Dick Grayson, fez sua estreia nos quadrinhos nos anos 1940.

Em um artigo de 2016 para a Slate, adaptado de seu livro sobre o Melhor Detetive do Mundo, o crítico cultural Glen Weldon documentou alguns casos que fizeram os ouvidos dos leitores se animarem. Isso inclui representações de Batman e Robin deitados lado a lado, nus, em camas separadas; Batman e Robin acordando na mesma cama; Robin tendo ataques de ciúme quando Batman entretinha interesses amorosos femininos.

O ex-escritor de quadrinhos do Batman, Grant Morrison, até disse à revista Playboy que “a homossexualidade está embutida no Batman”.

Apesar de fãs clamarem por esse tipo de conteúdo de Robin, a sexualidade do personagem nunca foi abertamente declarada, embora várias versões de Robin tenham tido relacionamentos com mulheres nos quadrinhos.

Novo quadrinho do Batman
Foto: Divulgação/DC Comics

Falando à Polygon, Fitzmartin disse que o novo relacionamento de Drake não apaga seus namoros passados com mulheres (mais notavelmente Stephanie Brown, que trabalha como a heroína Spoiler).

“Eu queria prestar homenagem ao fato de que a sexualidade é uma jornada… No entanto, Tim ainda está se descobrindo”, disse Fitzmartin ao Polygon. “Eu não acho que ele tenha a linguagem para tudo isso… ainda.”

A porta está aberta para o relacionamento de Drake e Bernard evoluir na próxima edição de “Batman: Urban Legends”. Mas eles se juntam a uma constelação crescente de personagens LGBTQIA+ no universo DC: Há a Batwoman, também conhecida como Kate Kane, que a certa altura foi punida por seu relacionamento com outra mulher sob a antiga política do exército americano “Don’t Ask, Don’t Tell”; Harley Quinn, que trocou o Coringa por sua amiga Era Venenosa nas últimas edições dos quadrinhos; e a cientista transgênero Victoria October, que estreou em uma série do Batman em 2017.

A DC e seu companheiro de quadrinhos Marvel começaram a incluir mais personagens LGBTQIA+ em suas histórias. Ambas as empresas lançaram quadrinhos antológicos especiais estrelando personagens queer e trans em junho para coincidir com o Mês do Orgulho LGBTQIA+.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês).

Tópicos

Mais Recentes da CNN