Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    “Succession” aborda uma noite de eleição com ecos preocupantes da realidade

    Episódio da série retrata uma situação parecida com a vivida pela organização de mídia de direita, Fox News

    Kieran Culkin e Jeremy Strong em "Succession" da HBO
    Kieran Culkin e Jeremy Strong em "Succession" da HBO David M. Russell/HBO

    Brian Lowryda CNN

    ATENÇÃO: O texto seguinte contém grandes spoilers sobre o oitavo episódio, “America Decides”, da quarta temporada de “Succession”.

    Para os filhos de Roy, é um longo caminho de volta àquele momento de abraço em grupo que eles compartilharam no início da temporada, no que só pode ser descrito como uma noite de eleição de “Succession”.

    Perdoem os espectadores do drama da HBO – assim como os funcionários da Fox News – por talvez terem experimentado um pouco de estresse pós-traumático enquanto assistiam ao brilhante episódio com tema eleitoral do programa, que trouxe política e a influência de Waystar Royco por meio de sua rede de TV a cabo conservadora, ATN, juntos em uma mistura vertiginosa de eleições do século 21.

    De fato, o criador da série Jesse Armstrong, que escreveu o episódio, quase parece ter lido os e-mails e textos vazados do processo “Fox vs. Dominion”, que revelaram as apreensões nos bastidores enquanto os funcionários da rede lutavam com as consequências de sua cobertura eleitoral e ao mesmo tempo se preocupavam em ser superados por concorrentes iniciantes da direita.

    Nesse ponto, o episódio, com o subtítulo “America Decides”, refletiu as discussões internas da Fox, onde os executivos se preocupavam em irritar os republicanos e alienar uma parte considerável de seu público.

    Sendo este um drama, Armstrong aumentou as apostas com uma reviravolta sóbria em uma eleição de roer as unhas que também soou assustadoramente plausível: atos de intimidação e potencial terrorismo direcionados a um centro de votação em um estado decisivo, Wisconsin, potencialmente jogando o estado para o candidato republicano Jeryd Mencken (Justin Kirk), um demagogo que os personagens de esquerda veem como uma ameaça potencial à democracia.

    A turbulência eleitoral também preparou o terreno para o conflito entre os Roys, com Shiv (Sarah Snook) apoiando o democrata, temendo as consequências de Mencken no Salão Oval; e Roman (Kieran Culkin) a favor de Mencken, em parte porque ele o vê como um aliado para ajudar a impor obstáculos regulatórios que acabarão com a proposta de fusão com a GoJo.

    Em cima do muro, naturalmente, estava Kendall (Jeremy Strong), o epítome da indecisão hesitante, querendo um resultado que atrasasse a fusão enquanto compartilhava as preocupações de Shiv, embora não tão politicamente experiente quanto ao que isso poderia significar.

    O debate se resumiu a um chefe de análise eleitoral intimidado, o chefe de rede sem princípios Tom (Matthew Macfadyen) e os três Roys, percebendo que tudo o que eles dissessem no ar daria legitimidade às reivindicações de vitória da campanha de Mencken.

    O drama eleitoral foi tão tenso e pontiagudo que ofuscou, sem eclipsar, a continuação da luta épica de Tom e Shiv na semana anterior. Quando ela finalmente o informou que estava grávida, ele respondeu entorpecido: “Isso é verdade? Ou isso é uma nova posição ou uma tática?”.

    Jeremy Strong, Sarah Snook e Kieran Culkin na 4ª temporada de “Succession” / Divulgação

    Por fim, Armstrong fez uma observação instigante sobre dinastias de mídia disfuncionais, colocando os interesses corporativos à frente da ética ou do jornalismo e os possíveis danos colaterais que podem infligir.

    Ecos do processo “Fox vs. Dominion”, por sua vez, podem ser encontrados em outra troca entre Tom e Shiv, com o primeiro interpretando o bom soldado corporativo, citando a importância da rede reconhecer sua “perspectiva única” e a necessidade de “respeitar nossa audiência”, espelhando as preocupações expressas em particular pelos executivos da Fox em 2020.

    Para essa noção de respeitar os sentimentos do público, Shiv rebateu: “Não dizendo a eles nada que eles não queiram ouvir?”.

    Após uma hora de tagarelice, coube a Kendall dar o voto decisivo, concluindo – com um empurrão da traição de Shiv ao servir como um canal de informações para Matsson (Alexander Skarsgård) – que Mencken era “um cara com quem podemos fazer negócios”, deixando de lado seus alertas sobre o futuro do país.

    Claro, os Roys ainda têm a pequena questão, mencionada durante o episódio, do funeral de seu pai. Certamente haverá um conteúdo explosivo lá também, mas o que eles ajudaram a enterrar na noite da eleição promete ter mais ramificações.

    A certa altura, o meio-irmão Connor Roy (Alan Ruck), o infeliz candidato presidencial, proferiu a frase mais engraçada do episódio, dizendo: “A eleição torna-se muito mais interessante quando você está nela”.

    “Succession” criou seu próprio mundo paralelo, mas mesmo assim, uma eleição fictícia é muito mais interessante quando você sente que a viveu, pelo menos parcialmente.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original