Pandemia pode afetar futebol mundial por até três anos, diz membro da Uefa

Lars-Christer Olsson, do comitê-executivo da organização, diz que ainda é preciso esperar, mas que até a Copa do Mundo de 2020 pode ser afetada pelo coronavírus

Reuters
30 de abril de 2020 às 13:29
Sede da UEFA, a federação europeia de futebol, em Nyon, na Suíça
Foto: Denis Balibouse/Reuters

A pandemia do novo coronavírus pode atingir o calendário internacional do futebol por "dois a três anos" e afetar, potencialmente, a Copa do Mundo de 2022 no Catar, disse Lars-Christer Olsson, membro do comitê-executivo da Uefa, que reúne as Associações Europeias de Futebol.

O coronavírus, que já infectou mais de 3,13 milhões de pessoas em todo o mundo, causando mais de 218 mil mortes, provocou estragos no cronograma do futebol, com adiamento da Eurocopa 2020 para 2021 e paralisação de ligas nacionais e competições continentais de clubes.

A Copa do Mundo do Catar está marcada para o perído de 21 de novembro a 18 de dezembro de 2022, e Olsson disse ser um caso de "esperar para ver" se o evento quadrienal será atingido.

Questionado, durante um videoconferência da Soccerex, sobre por quanto tempo ele acredita que o calendário internacional poderia ser afetado, Olsson declarou: "Provavelmente dois ou três anos".

Leia também:

França cancela temporada de futebol 2019-2020

Quarentena pode ter efeito psicológico para jogadores de futebol

Coronavírus pode acabar com progresso do futebol feminino

"Se o vírus estiver se desenvolvendo de uma maneira ainda séria, como está por enquanto, definitivamente haverá um problema no calendário internacional.”

"Com algumas competições transferidas de um ano para outro... e então tem a Copa do Mundo do Catar no meio da temporada europeia, e você precisa disputar competições nacionais e internacionais.”

"Mas acredito que temos que esperar e ver como isso afetará os negócios", completou.

Olsson, que também é presidente das Ligas Europeias, disse que a Uefa planeja concluir a Liga dos Campeões e a Liga Europa em agosto.

"Se isso for possível, acho que seria bom, porque também significaria que podemos garantir a integridade da fase final da atual temporada do futebol internacional", acrescentou.

"Mas é claro que temos que tomar decisões sobre isso no final de maio, pelo menos, porque, caso contrário, provavelmente não será possível encaixar os jogos e também qualificar os clubes para a nova temporada."