Maracanã 70 anos: Zico, maior artilheiro do estádio, relembra momentos marcantes

Maior artilheiro do estádio, falou sobre os momentos marcantes no 'templo do futebol' mundial, que completa 70 anos

Da CNN
16 de junho de 2020 às 13:57 | Atualizado 16 de junho de 2020 às 14:12


Maior palco do futebol brasileiro, o estádio do Maracanã completa 70 anos nesta terça-feira (16). Em entrevista à CNN, o ex-jogador Zico, maior artilheiro do estádio e ídolo do Flamengo, relembrou momentos marcantes da carreira no 'templo sagrado' do futebol mundial. 

"Quando se fala do Maracanã, a primeira imagem que vem a minha cabeça é de quando eu tinha 10 anos e fui assistir ao jogo que deu o maior público do estádio até hoje: decisão Flamengo e Fluminense em 1963. O rubro-negro acabou sendo campeão com o empate e tinha mais de 77 mil pagantes. Mas no total deve ter dado mais de 200 mil pessoas no total. É uma imagem inesquecível", relembrou. 

Leia também:
Federação sugere volta do Carioca nesta quinta, com jogo Bangu x Flamengo

Questionado se dava para escolher um momento histórico e inesquecível, o jogador foi categórico: a final entre Flamengo e Grêmio, pelo campeonato brasileiro em 1982.

"Estávamos perdendo com o placar de um a zero e o segundo jogo seria em Porto Algre. Lá, a equipe era muito forte. Faltavam poucos minutos, o Júnior cruzou a bola e eu fiz o gol de empate. Naquela época não tinha regulamento do 'gol fora', então empatamos e fomos para a capital gaúcha. Para mim, este gol foi um dos mais importantes que fiz no Maracanã", assegurou.

Zico disse ainda que o estádio acabou virando um templo para os amantes do futebol. Sua história, os jogadores que passaram pelo gramado, a relação de amor com os torcedores e por ser, na época, o maior estádio do mundo.

"Não existia um estádio que pudesse ter 150 mil pessoas tranquilamente, eu acho que tudo isso ficou marcado. E ele passou a ser o estádio que todos os jogadores do mundo queria jogar. Se criou essa coisa do templo sagrado. Que venha mais 70 anos por aí", concluiu.

(Edição: Sinara Peixoto)