Austrália e Nova Zelândia sediarão Copa do Mundo Feminina em 2023


Reuters
25 de junho de 2020 às 17:37
Austrália e Nova Zelândia sediarão a Copa do Mundo Feminina de 2023

Austrália e Nova Zelândia sediarão a Copa do Mundo Feminina de 2023

Foto: Destination NSW

Austrália e a Nova Zelândia foram escolhidas nesta quinta-feira (25) para sediar o a Copa do Mundo Feminina de 2023 por uma margem confortável após votação do Conselho da Fifa.

A proposta conjunta venceu a candidatura da Colômbia para sediar o torneio, que será sendo expandido para 32 equipes.

O Japão, que também apresentou uma proposta para organizar a competição, desistiu na segunda-feira (22) após ficar abaixo da proposta dos países da Oceania no relatório de avaliação da Fifa.

O relatório destacou as vantagens organizacionais e de infraestrutura da candidatura de Austrália e Nova Zelândia, que a Fifa acredita serem importantes para o sucesso comercial do torneio.

"A Copa do Mundo Feminina da FIFA em 2023 na Austrália e Nova Zelândia será inovadora de várias maneiras", disse Chris Nikou, presidente da Federação Australiana de Futebol (FFA).

Assista e leia também:

Um ano depois, o emocionante discurso de Marta na Copa do Mundo ainda ressoa

Coronavírus pode acabar com progresso do futebol feminino

Brasil retira candidatura para sediar Copa do Mundo de futebol feminino de 2023

"Não apenas será a primeira Copa do Mundo da Fifa organizada por duas confederações e a primeira Copa do Mundo Feminina da Fifa na região Ásia-Pacífico, como também abriremos o enorme potencial de crescimento do futebol feminino na região."

Houve relatos da mídia de que a votação poderia ser apertada com os representantes europeus da Uefa apoiando a Colômbia, mas no final a margem de vitória foi grande, com a Austrália e a Nova Zelândia obtendo 22 votos contra 13 da país sul-americano.

A Copa do Mundo Feminina de 2019 na França foi aclamada como um divisor de águas para o interesse global no jogo das mulheres e o presidente da Fifa, Gianni Infantino, conduziu pessoalmente a campanha para aumentar de 24 para 32 equipes a competição de 2023.

Infantino também expressou sua preferência pela candidatura de Austrália e Nova Zelândia durante a reunião do Conselho da Fifa.

A Colômbia, que esperava se tornar o primeiro país sul-americano a realizar o torneio feminino, ficou decepcionada com a decisão, mas prometeu continuar lutando para sediar um grande evento da Fifa.

"Queríamos a sede da Copa do Mundo Feminina de 2023 para a Colômbia e demos tudo para obtê-la", escreveu o Ministério do Esporte do país no Twitter. "Vamos trabalhar mais para trazer outra Copa do Mundo para a Colômbia. Com os esforços de todos, o futebol feminino (aqui) ... continuará crescendo."