Após aprovação de protocolo da CBF, FPF se posiciona contra volta de torcedores

Ministério da Saúde autorizou o retorno de até 30% do público nos estádios dos clubes das Série A e B do Brasileirão

Henrique Andrade*, da CNN, em São Paulo
23 de setembro de 2020 às 13:08 | Atualizado 23 de setembro de 2020 às 13:31
Fachada da Federação Paulista de Futebol, em São Paulo
Foto: Rogério Galasse/Futura/Estadão Conteúdo

Após a aprovação do protocolo da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para o retorno do público aos estádios, a Federação Paulista de Futebol (FPF) afirmou que a autorização "depende do aval das autoridades públicas estaduais e municipais". Para a FPF, a presença dos torcedores só deve ocorrer "caso haja uniformidade de decisões por parte dos Estados que tenham equipes envolvidas na competição".

A federação do estado de São Paulo comunicou que "desde o início da pandemia, a FPF e os clubes de São Paulo sempre agiram priorizando a saúde da população e de todos os profissionais envolvidos na realização das partidas".

Leia também:
Ministério da Saúde aprova protocolo para volta de 30% do público aos estádios
Pesquisadores dizem que liberar público em estádios é ‘contra o bom senso’
Estamos iniciando o processo de retorno das torcidas, diz secretário da CBF

O posicionamento se dá após o ofício do Ministério da Saúde dessa terça-feira (22), que aprovou o protocolo da CBF para o retorno parcial de público aos jogos de futebol. Na decisão, o ministério validou o plano que permite 30% da capacidade dos estádios para partidas das Séries A e B do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil a partir de outubro.

A mobilização em torno do assunto começou na semana passada, quando a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) decidiu permitir a volta da torcida aos estádios do estado a partir do próximo mês. A partida entre Flamengo e Athletico Paranaense, marcada para 4 de outubro, seria a primeira com essa possibilidade.

Desde então, diversos clubes, até mesmo do Rio de Janeiro, como Botafogo e Fluminense, já se posicionaram contra o retorno do público. O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, publicou em rede social que "desde o início da pandemia, a FPF e os clubes de São Paulo sempre agiram priorizando a saúde da população e de todos os profissionais envolvidos na realização das partidas".

Centro de Contingência de São Paulo contra o retorno

Coordenador do Centro de Contingência contra Covid-19 em São Paulo, José Medina afirmou ser contra o retorno do público nos jogos. Pelas Eliminatórias da Copa de 2022, o duelo entre Brasil e Bolívia, em 9 de outubro, está marcado para a Neo Química Arena.

“Fizemos uma reunião com o Comitê de Contingência na terça-feira (22), que concluiu que o atual cenário da pandemia no estado não permite a retomada de público em eventos de grandes aglomerações. Decisão técnica, baseada em algumas premissas: o estado permanece em quarenta; a prevalência da doença ainda se encontra em patamares elevados; nesse tipo de evento ocorre um fluxo de pessoas de diferentes origens geográficas. Nos baseamos também em decisões de outros países onde a pandemia começou antes, como Inglaterra e Espanha, que não liberaram a presença de público em eventos dessa natureza. Vamos manter as diretrizes já discutidas com a FPF, mantendo as partidas sem público”, afirmou.

*Sob supervisão da Julyanne Jucá