Alpinistas do Nepal chegam ao topo do K2 no inverno pela 1ª vez na história

Da Reuters
16 de janeiro de 2021 às 16:02
Montanhistas alcançaram o pico do K2 neste sábado, um fato histórico
Foto: Nirmal Purja MBE - Nimsdai/Instagram/Reprodução


Escaladores do Nepal se tornaram, neste sábado (16), os primeiros montanhistas a completar com sucesso uma tentativa de inverno no cume do K2, o segundo pico mais alto do mundo.

O grupo de sherpas parou em um ponto a 70 metros do pico de 8.611 metros (28.251 pés) para esperar um pelo outro antes de entrarem juntos nos livros de história do mundo às 16h56.

O grupo é formado por Nirmal Purja, Gelje Sherpa, Mingma David Sherpa, Mingma G, Sona Sherpa, Mingma Tenzi Sherpa, Pem Chhiri Sherpa, Dawa Temba Sherpa, Kili Pemba Sherpa e Dawa Tenjing Sherpa.

O sucesso foi prejudicado pela morte na montanha do renomado alpinista espanhol Sergio Mingote, que caiu em uma fenda enquanto tentava descer até o acampamento-base, disse à Reuters Karrar Haidri, secretário do Clube Alpino do Paquistão. 

Cerca de 49 alpinistas de várias equipes estão no K2 tentando chegar ao cume, se o tempo permitir.

"Consternado com a notícia do acidente que acabou com a vida de um magnífico atleta", escreveu o ministro da Saúde da Espanha, Salvador Illa, no Twitter, descrevendo Mingote como "um amigo pessoal".

Mingote, de 49 anos, escalou sete montanhas com mais de 8 mil metros sem oxigênio suplementar em menos de dois anos.

Escalado pela primeira vez em 1954 pelo italiano Achille Compagnoni, o K2 é famoso por suas encostas adormecidas e ventos fortes, e no inverno sua superfície se torna gelo liso.

Das 367 pessoas que completaram sua escalada em 2018, 86 morreram. Os militares paquistaneses são regularmente chamados para resgatar alpinistas usando helicópteros, mas o clima geralmente torna isso difícil.

A altitude anterior mais alta alcançada no K2 no inverno foi de 7.750 metros por Denis Urubko e Marcin Kaczkan, definida há quase duas décadas.

A pandemia do novo coronavírus significou que as restrições às viagens impactaram severamente a temporada tradicional de montanhismo de verão na cordilheira de Karakoram e no Paquistão em particular, que abriga cinco dos 14 picos mundiais com mais de 8 mil metros.