Com técnico afastado por Covid, Chelsea estreia no Mundial contra saudita Al-Hilal

Clube inglês retoma ritmo de jogo após pausa em seu calendário; caso vença, campeão da Champions League enfrentará o Palmeiras na final, no próximo sábado (12)

Zagueiro brasileiro do Chelsea, Thiago Silva, em treino nesta terça (8) em Abu Dhabi.
Zagueiro brasileiro do Chelsea, Thiago Silva, em treino nesta terça (8) em Abu Dhabi. Chelsea / Reprodução

Léo Lopesda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O Chelsea fará sua estreia em Abu Dhabi pelo Mundial de Clubes, nesta quarta-feira (9), às 13h30.

Sem o técnico Thomas Tuchel à beira do gramado, isolado no Reino Unido após testar positivo para Covid-19, os ingleses vão tentar passar pelo clube saudita Al-Hilal, dos brasileiros Matheus Pereira e Michael.

No último domingo (6), o representante asiático no torneio goleou o Al Jazira por 6 a 1 para garantir sua vaga na semifinal.

O vencedor do confronto desta quarta vai enfrentar na final o Palmeiras, que venceu os egípcios do Al Ahly por 2 a 0 na outra semi.

O Chelsea chega para essa partida ainda retomando seu ritmo de jogo. Desde o dia 23 de janeiro, os Blues jogaram apenas uma partida, pela Copa da Inglaterra.

No final do mês passado, a Premier League foi pausada por 15 dias para que os clubes pudessem liberar seus jogadores para disputar partidas pelas seleções de seus países, conforme explica um informe no site do Chelsea.

Nesse contexto, o técnico Thomas Tuchel chegou a dar uma semana de folga para os atletas que não estavam convocados.

De toda forma, os ingleses chegam motivados para o Mundial na esperança de conquistar um título inédito para o time, e afastar o fantasma da derrota para o Corinthians na final de 2012.

Desde que o bilionário russo Roman Abramovich se tornou proprietário do Chelsea em 2003, o Mundial de Clubes é o único torneio que a equipe não conquistou.

“O Chelsea não “venceu tudo” de verdade até que tenhamos as mãos neste troféu”, afirmou o clube em seu site.

Eles já chegaram perto. Após uma conquista inédita da Champions League 2011/12 – nos pênaltis contra o Bayern de Munique –, os Blues caíram na final do Mundial de Clubes para o Corinthians, parados pelas mãos do goleiro Cássio e uma cabeçada decisiva do peruano Paolo Guerrero.

Dos jogadores do Chelsea que enfrentaram o Corinthians, apenas o capitão Azpilicueta permanece no clube.

“Acho que, depois de 10 anos, percebi o quão difícil é vencer [o torneio]”, disse o lateral espanhol durante uma coletiva de imprensa em Abu Dhabi, nesta terça (8).

“Temos que aproveitar ao máximo, começando pelo jogo de amanhã [quarta (9)], mas vai ser muito difícil. Espero que a experiência ruim passada nos ajude neste torneio”, declarou.

Ele enfatizou que “está muito motivado”. “Perder em 2012 doeu muito e ganhar pela primeira vez para o clube seria algo enorme. Tem um grande significado para todos. Depois de toda a jornada que tivemos para chegar até aqui, temos de dar tudo de nós. Primeiro amanhã [quarta (9)] e depois passo a passo, porque sabemos que vai ser difícil”, completou.

Técnico com Covid-19

O técnico alemão Tomas Tuchel – eleito o melhor do mundo pela Fifa em janeiro – não viajou com o Chelsea para Abu Dhabi. Ele testou positivo para Covid-19 no último dia 5 e está isolado no Reino Unido.

Em comunicado publicado em seu site, a equipe londrina afirma que tem a esperança do técnico se juntar ao grupo até o fim da semana – a tempo de uma possível final.

Na ausência de Tuchel, a equipe será comandada por seu auxiliar, o húngaro Zsolt Low. Em coletiva nesta terça (8), Low disse que está em constante contato com Tuchel para orientações.

“Temos muitas reuniões juntos, ele está nos ligando o tempo todo. Recebemos ligações durante os treinos e também quando saímos à noite. Tentamos fazer com que ele esteja aqui conosco”, disse.

Low também admitiu que é difícil manter a equipe no mesmo nível sem a presença do alemão, mas disse que estão tentando fazer o melhor possível.

Mais Recentes da CNN