Djokovic precisará ser vacinado para jogar o Aberto da Austrália, diz ministro do país

Número um do mundo se recusou a revelar seu status de vacinação

Da Reuters

Ouvir notícia

Novak Djokovic não poderá entrar na Austrália para defender seu título do Aberto da Austrália, a menos que esteja totalmente vacinado contra a Covid-19, disse o ministro da imigração do país na quarta-feira, colocando em risco a chance recorde do sérvio quebrar o recorde no número de vitórias em grand slams.

Número um do mundo, Djokovic está empatado com Roger Federer e Rafa Nadal em 20 títulos de Grand Slams, se recusou a revelar seu status de vacinação e disse que não tem certeza se defenderá seu título no Aberto da Austrália.

Esclarecendo os requisitos de visto da Austrália, o ministro da Imigração, Alex Hawke, disse que os jogadores estrangeiros precisariam de duas vacinas para jogar o grand slam, no Melbourne Park, em janeiro.

Você precisará ser vacinado duas vezes para visitar a Austrália. Essa é uma exigência geral, não apenas para jogadores de tênis. Quero dizer que, todos os visitantes da Austrália precisarão ser vacinados duas vezes”, disse Hawke à rádio Australian Broadcasting Corporation.

“Não tenho uma mensagem para Novak. Tenho uma mensagem para todos que desejam visitar a Austrália. Ele precisará ser vacinado duas vezes.”

Além do sérvio Djokovic, que conquistou nove de seus grand slams no Aberto da Austrália e os três últimos consecutivos em Melbourne Park, muitos outros jogadores do torneio podem ser excluídos por conta da regra.

Mais de um terço dos jogadores profissionais não foram vacinados, de acordo com relatos recentes da mídia.

Os torneios ATP masculino e feminino do WTA pediram aos jogadores que se vacinassem, mas alguns se manifestaram contrariamente.

O campeão russo do Aberto dos Estados Unidos, Daniil Medvedev, e o número quatro do mundo, o alemão Alex Zverev, expressaram ceticismo, embora seu status de vacinação permaneça desconhecido.

O número três do mundo, o grego Stefanos Tsitsipas, disse, em agosto, que só seria vacinado se fosse obrigatório, embora mais tarde tenha dito que planejava tomar a vacina até o final do ano.

A Tennis Australia, que organiza o grand slam, disse que está trabalhando com as autoridades para definir as condições para jogadores, torcedores e funcionários do torneio.

“Nosso entendimento é que os detalhes sobre os visitantes internacionais que entram no país ainda não foram decididos e esperamos ter mais informações em breve”, disse o órgão regulador.

O ministro da saúde da Austrália, Greg Hunt, disse que as regras do país tratam de proteger os australianos.

“Eles se aplicam a todos sem medo ou favorecimento. Não importa se você é o número um no mundo ou qualquer outra coisa”, disse ele em entrevista coletiva na quarta-feira.

A Austrália fechou suas fronteiras internacionais para não cidadãos e residentes não permanentes por 18 meses, embora tenha havido algumas exceções.

Espera-se que as viagens internacionais para os cidadãos australianos comecem dentro de semanas, mas espera-se que os não-cidadãos sejam excluídos até o início de 2022.

As autoridades do estado de Victoria, que sedia o Aberto da Austrália, disseram que não fariam acordos especiais com atletas não vacinados para permitir que eles competissem, mesmo que tivessem visto.

Melbourne, a segunda maior cidade da Austrália, está fechada desde agosto devido a um surto da variante Delta, altamente infecciosa, mas começará a abrir na sexta-feira, quando se espera que 70% da população adulta de Victoria seja totalmente vacinada.

(Texto traduzido. Leia o original aqui.)

Mais Recentes da CNN