Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Advogado suíço confirma que Cuca foi reconhecido como estuprador

    CNN entrou em contato com Willi Egloff, advogado que defendeu vítima no caso ocorrido em 1987

    Rodrigo MorelLaura SlobodeicovVital Netoda CNN

    O advogado Willi Egloff, que acompanhou a vítima de estupro no caso envolvendo ex-jogadores brasileiro na Suíça, em 1987, afirmou que Cuca foi reconhecido pela garota como um dos agressores. A informação foi veiculada pelo UOL e confirmada pela CNN.

    A garota o reconheceu como um dos estupradores. Ele foi condenado por relações sexuais com uma menor e coerção.

    Willi Egloff, advogado

    O técnico Cuca, em sua entrevista de apresentação no Corinthians, disse que jamais foi reconhecido pela vítima. Egloff desmente a versão do treinador.

    “A garota o reconheceu como um dos estupradores. Ele foi condenado por relações sexuais com uma menor”, afirmou o advogado suíço.

    O advogado também confirmou a informação publicada pelo Jornal Der Bund, de Berna, de que o sêmen de Cuca foi encontrado no corpo da menina.

    “É correto que o sêmen de Alexi Stival foi encontrado no corpo da garota. O exame foi realizado pelo Instituto de Medicina Legal da Universidade de Berna.”

    Egloff confirmou ainda que a vítima tentou cometer suicídio, mas não soube dizer quando isso aconteceu.

    O caso

    Cuca, ainda como jogador Grêmio, participou de uma excursão com o time para a Europa. Na Suíça, ele e outros três jogadores, Eduardo, Fernando e Henrique, foram detidos sob a alegação de terem feito sexo sem consentimento com uma menina de 13 anos. Ele ficaram presos, mas liberados um mês depois.

    Em 1989, dois anos depois do caso, Cuca, Eduardo e Henrique foram condenados a 15 meses de prisão. Fernando foi absolvido da acusação de atentado ao pudor e condenado por ato de violência.