Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Ofensas racistas no basquete do Uruguai geram debate no país

    Finais da Liga Uruguaia de Basquete entre Peñarol x Aguada foram marcadas por incidentes

    Granger, jogador de basquete do Peñarol, do Uruguai
    Granger, jogador de basquete do Peñarol, do Uruguai Divulgação/Peñarol

    Sofía Benavidesda CNN

    Uma série de incidentes e insultos nas finais da Liga Uruguaia de Basquete gerou um debate sobre racismo e discriminação em um país no qual mais de 8% da população — segundo o censo de 2011 — afirma ter ascendência africana ou negra, mas onde pouco se fala sobre o assunto.

    O ocorrido que deu início ao debate ocorreu no último domingo (16), durante uma das finais do campeonato de basquete, entre Peñarol e Aguada, quando a torcida do Aguada entoava cantos racistas contra Jayson Granger, do Peñarol.

    Como resultado deste acontecimento, a Comissão Honorária contra o Racismo, a Xenofobia e todas as outras formas de Discriminação emitiu um comunicado no qual repudiou os cantos.

    A mensagem oficial, assinada pela Secretária dos Direitos Humanos da Presidência, Sandra Etcheverry, apela “às autoridades competentes para que tomem medidas firmes e urgentes para investigar e punir os responsáveis por estes atos discriminatórios, aplicando os protocolos, regulamentos e o Código Disciplinar Desportivo atual”.

    A comissão pediu uma reunião com a Federação Uruguaia de Basquete (FUBB) “para promover ações conjuntas” contra a discriminação. Anunciou também que irá coordenar com a Secretaria Nacional de Esportes a promoção de “uma campanha de bem público para promover a erradicação de todas as formas de discriminação”.

    A FUBB, por sua vez, divulgou no domingo um comunicado pedindo aos jogadores e ao público que “aproveitem as finais com respeito e incentivo, sem insultos ou violência de qualquer espécie”.

    Além dos cantos dos torcedores, Granger denunciou insultos racistas de seus rivais durante os jogos em sua conta no X. Em comunicado de 7 de junho, ele disse que não estava “acostumado a lidar com racismo e certas situações que não deveriam ocorrer em uma quadra de basquete. É algo que nunca experimentei em meus 20 anos como profissional”.

    Na mensagem, ele também pediu desculpas pelos gestos captados pela câmera, nos quais parecia ameaçar um jogador rival.

    Num segundo comunicado publicado no Instagram em 15 de junho, Granger disse que o grito racista “de um estádio inteiro” é algo que “aparentemente é tolerado aqui e se naturalizou a tal ponto que não recebe a menor importância, quando em quase qualquer outra parte do mundo as medidas seriam tomadas imediatamente (…) Aqui ninguém faz nada, eles olham para o outro lado”, acrescentou o atleta.

    Devido a esses acontecimentos, Granger e o jogador Santiago Vidal, do Aguada, foram intimados a prestar depoimento na Unidade de Violência no Esporte e em uma Promotoria Criminal. O processo por supostas ameaças de morte foi arquivado porque o jogador do Aguada não quis fazer a denúncia.

    Vidal, por sua vez, negou ter proferido qualquer tipo de insulto racista a Granger. E o seu clube reafirmou em comunicado que “não existe nenhum elemento objetivo que leve a pensar que esta situação existiu”.

    No comunicado de 17 de junho, o clube Aguada manifestou “o seu mais profundo repúdio a qualquer tipo de expressão que possa ser considerada discriminatória contra qualquer pessoa”.

    “Infelizmente, em todo o nosso esporte e na nossa sociedade, é comum confiar nessas coisas para insultar uma pessoa. Repudiamos os gritos feitos por alguns de nossos fãs e pedimos desculpas publicamente por eles.”

    A ONG Mundo Afro também repudiou os insultos contra Granger e apelou a “medidas severas” para penalizar estes actos. A presidente da organização, Verónica Villagrán, questionou em declarações ao jornal La Diaria os insultos a Granger e também a “total ausência de políticas” para criminalizar estas situações.

    “O racismo é um problema estabelecido e todos o consideram normal”, acrescentou.

    Em declarações à rádio Sport 890, Granger disse que as finais do basquete uruguaio foram “um pesadelo” para ele. No domingo, na última final, os jogadores do Peñarol entraram em campo vestindo uma camiseta que trazia a frase “Não ao racismo”.

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original