Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Brasil perde para a França e disputa vaga nas oitavas com a Jamaica

    Brasil cresceu no jogo, conseguiu o empate, mas não segurou a melhor jogada ofensiva francesa e foi derrotada no final do jogo na Copa do Mundo Feminina

    Brasil é derrotado pela França na Copa do Mundo Feminina
    Brasil é derrotado pela França na Copa do Mundo Feminina Thais Magalhães/CBF

    Da CNN

    A Seleção Brasileira foi derrotada pela França por 2 a 1, jogo válido pela segunda rodada da fase de grupos da Copa do Mundo Feminina. O jogo aconteceu no Brisbane Stadium, na Austrália.

    Le Sommer abiu o placar para as francesas no início do primeiro tempo. Debinha, em jogada construída pelas canarinhas, empatou o confronto. Mas, na jogada mais imponente das francesas, Renard colocou a França em vantagem novamente.

    O resultado fez com que o Brasil perdesse a liderança do grupo F, se mantendo com 3 pontos. A primeira posição ficou com a França, em primeiro – com 4 pontos. A Seleção Brasileira está em segundo. Jamaica e Panamá jogam em busca da segunda colocação: de momento, as jamaicanas têm 1 ponto e as panamenhas ainda não pontuaram.

    O tabu se manteve: a Seleção Brasileira nunca venceu uma partida contra a França no futebol feminino. Foram 12 confrontos, com 6 vitórias das europeias e 6 empates.

    Debinha

    A camisa nove da Seleção Brasileira foi a jogadora encarregada de suceder Marta com a amarelinha. Com a chegada de Pia Sundhage, Debinha é a jogadora que mais balançou a rede, com 30 gols em 50 partidas.

    O desempenho da atacante a colocou na lista de indicadas para o prêmio de melhor jogadora do mundo, que foi vencido pela espanhola Alexia Putellas. Debinha ficou eM sexto lugar no ranking.

    Le Sommer e Renard

    A França conseguiu a vitória sobre a Seleção Brasileira com gols de suas duas melhores jogadoras: Eugenie Le Sommer e Wendie Renard.

    A maior artilheira da seleção francesa tem 34 anos e é uma das líderes desse elenco. Le Sommer marcou 90 gols com a camisa azul e seguirá, por mais uma Copa do Mundo, tentando ajudar a França a alcançar o inédito título mundial.

    E a zagueira, capitã e ídola Renard fez o segundo gol da seleção francesa; a jogadora tem 35 gols na história da seleção francesa. Ela é referência tanto na defesa como no ataque; isso porque, a principal jogada ofensiva da França é a bola parada de escanteio, que a zagueira é muito forte, já que tem 1,87m de altura.

    O Jogo

    A França jogou melhor no primeiro tempo; pressionou a saída de bola do Brasil e priorizou a posse de bola para construção ofensiva.

    Logo no início da partida, a lateral francesa Karchaoiu cruzou de longe, a Diani conseguiu ganhar no alto, dentro da área, e a maior artilheira da história da Seleção Francesa, Le Sommer cabeceou sozinha na pequena área, sem chances para Lelê.

    A partir disso, Brasil tentou e até teve uma oportunidade com a Adriana, depois da bela jogada de Debinha dentro da área francesa, mas chutou para fora. A França teve o controle do primeiro tempo.

    No segundo tempo, as brasileiras tentaram imprimir um ritmo diferente, mais intenso; E, aos poucos, conseguiu criar jogadas que foram aproximando o Brasil do gol francês.

    Aos 12 minutos, a troca de passes da seleção canarinha pela esquerda caiu nos pés de Kerolin, que tentou a batida pela entrada da área.

    A volante foi travada pela marcação, mas a bola sobrou no pé da artilheira da Seleção na era Pia: Dedinha recebeu e invadiu a pequena área e, de perna direita, colocou a bola no fundo do gol.

    O Brasil dominava a partida até sofrer o 2 a 1: na melhor jogada ofensiva que a França tem, o escanteio foi cobrado na cabeça de Wendie Renard, zagueira de 1,87, que cabeceou com liberdade para o fundo do gol brasileiro.

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas