Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Justiça dos EUA vai indenizar vítimas de abuso de ex-médico de ginastas

    Larry Nassar foi condenado a até 175 anos e até 125 anos, respectivamente, em dois tribunais distintos do estado de Michigan

    Larry Nassar em tribunal dos EUA
    Larry Nassar em tribunal dos EUA Rebecca Cook/Reuters

    Da Reuters

    O Departamento de Justiça dos EUA chegou a um acordo civil de US$ 138,7 milhões (quase R$ 715 milhões) com centenas de vítimas de Larry Nassar, ex-médico de ginástica americanas que está cumprindo pena de prisão por abusar sexualmente de atletas sob seus cuidados, disse a agência nesta terça-feira (23).

    O acordo resolve as alegações de que o FBI estragou a investigação inicial sobre Nassar, alegou o Departamento de Justiça.

    “Essas alegações deveriam ter sido levadas a sério desde o início”, disse Benjamin Mizer, procurador-geral associado interino dos EUA, em comunicado.

    “Embora estes acordos não desfaçam os danos infligidos por Nassar, a nossa esperança é que ajudem a dar às vítimas dos seus crimes algum do apoio crítico de que necessitam para continuar a cura”.

    Nassar, principal médico dos ginastas olímpicos durante 18 anos, foi condenado em um tribunal federal em 2017 a 60 anos de prisão sob a acusação de posse de material de abuso sexual infantil.

    No ano seguinte, Nassar foi condenado a até 175 anos e até 125 anos, respectivamente, em dois tribunais distintos do estado de Michigan por molestar ginastas sob seus cuidados.

    Simone Biles e McKayla Maroney, medalhistas de ouro olímpicas dos Estados Unidos, estavam entre as vítimas que criticaram publicamente o FBI pela forma como lidou com a investigação. O acordo resolve 139 reclamações separadas, disse o Departamento.

    As mulheres acusaram o FBI de não agir com base nas provas recebidas em 2015, permitindo que Nassar continuasse a abusar sexualmente de mulheres e meninas jovens até ser acusado em 2016.

    “Estamos orgulhosos de ter conseguido um acordo monumental com o Departamento de Justiça dos EUA, que não só garante a recuperação que os sobreviventes merecem, mas também responsabiliza o Departamento de Justiça e o FBI pelos seus fracassos”, disseram quatro advogados que representaram 77 das vítimas em um comunicado. 

    Um relatório do órgão de fiscalização interno do Departamento de Justiça em 2021 descobriu erros generalizados do FBI, incluindo a falha em entrevistar prontamente vítimas em potencial e em documentar entrevistas.

    O Departamento de Justiça optou por não apresentar acusações criminais contra os agentes envolvidos na investigação em 2022, mantendo uma decisão anterior.

    (Produção: Andy Ragg)

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas