Simone Biles e outras ginastas depõem ao Senado sobre abuso sexual de médico

Médico Larry Nassar atuou no comitê olímpico dos Estados Unidos e cometeu abusos em série, segundo atletas; Congresso avalia se FBI foi omisso nas investigações

Adrienne Vogtda CNN*

Ouvir notícia

As ginastas olímpicas Simone Biles e Aly Raisman estão no Senado dos Estados Unidos nesta quarta-feira (15) para depor sobre o abuso sexual que sofreram nas mãos do médico do comitê de ginástica olímpica dos EUA Larry Nassar.

O Senado norte-americano analisa os motivos pelos quais o FBI não investigou mais cedo os crimes relatados.

As atletas compareceram ao Comitê Judiciário do Senado ao lado da ex-colega McKayla Maroney e da ex-ginasta Maggie Nichols, que foi a primeira vítima a denunciar o abuso à USA Gymnastics em 2015.

A audiência acontece após o inspetor geral do Departamento de Justiça, Michael Horowitz, em julho, emitir um relatório contundente que critica o FBI por inviabilizar a investigação após uma série de erros que permitiram que os abusos continuassem por meses.

Horowitz também testemunhará nesta quarta-feira (15), assim como o diretor do FBI Chris Wray, que deve enfrentar severos questionamentos bipartidários sobre por que os agentes que inviabilizaram a investigação nunca foram processados ​​por má conduta.

O presidente do Comitê Judiciário do Senado, Dick Durbin, disse que as falhas do FBI são “chocantes”. As descobertas do inspetor geral “pintam um quadro chocante do abandono do dever do FBI e da incompetência grosseira”, disse ele.

Biles pede que envolvidos na investigação sejam processados federalmente

Em resposta ao senador Patrick Leahy, Simone Biles afirmou que deseja que todos os envolvidos no fracasso das investigações conduzidas pelo FBI sejam processados federalmente.

Biles disse que ela e as demais vítimas de Nassar esperam que os envolvidos sejam responsabilizados por seus atos. Até o momento, os principais envolvidos no atraso das investigações não sofreram qualquer punição do Estado ou internamente no FBI.

Antes da declaração de Biles, a ginasta Aly Raisman pediu “responsabilidade genuína” e afirmou que isso significa uma revisão completa do sistema e uma investigação completa do FBI, do Comitê Olímpico e Paralímpico dos EUA e da USA Gymnastics.

Ginasta Maggie Nichols diz que o FBI ‘traiu’ as vítimas de Nassar

A ex-ginasta Maggie Nichols disse que até hoje tem “poucas respostas” – ela denunciou Nassar em 2015. Nichols acusou a USA Gymnastics, o Comitê Olímpico de Ginástica dos EUA e o FBI de permitir que Nassar continuasse abusando de outras pessoas.

Ao denunciar Nassar, Nichols alegou que ele a tocava quando ela tinha 15 anos e que ele também enviou mensagens no Facebook elogiando sua aparência.

“Meus sonhos olímpicos terminaram no verão de 2015 quando meu treinador e eu relatamos o abuso de Larry Nassar à liderança do USAG”, disse Nichols aos membros do Congresso.

“Eu denunciei meu abuso à USA Gymnastics há mais de seis anos. Até então minha família e eu recebemos poucas respostas e temos ainda mais perguntas sobre como isso foi permitido. Dezenas de outras meninas e mulheres no estado de Michigan foram abusadas depois”, disse ela.

“Ao sacrificar minha infância pela chance de competir pelos Estados Unidos, fico assombrada pelo fato de que, mesmo depois de relatar meu abuso, muitas mulheres e meninas tiveram que sofrer nas mãos de Larry Nassar”, disse ela.

Nichols disse que não foi entrevistada pelo FBI por mais de um ano depois de denunciar o abuso. Ela disse que desde o dia em que denunciou o abuso foi tratada de forma diferente pelos funcionários da ginástica.

Ginastas prestam juramento antes do depoimento
Ginastas fazem juramento antes do depoimento nesta quarta-feira (15) / Reprodução / CNNi

FBI trabalha no caso desde 2015

A investigação do FBI sobre Nassar começou em julho de 2015, depois que o presidente e CEO da USA Gymnastics, Stephen Penny, relatou as alegações ao escritório de campo do FBI em Indianápolis e forneceu aos agentes os nomes de três vítimas dispostas a serem entrevistadas.

Este escritório, então liderado pelo agente especial W. Jay Abbott, não abriu formalmente uma investigação.

O FBI entrevistou apenas uma testemunha meses depois da denúncia inicial, em setembro de 2015, e não documentou formalmente essa entrevista em um relatório oficial conhecido como “302” até fevereiro de 2017 – bem depois que o FBI prendeu Nassar sob a acusação de posse de imagens sexualmente explícitas de crianças em dezembro de 2016.

Quando a entrevista foi finalmente documentada em 2017 por um agente especial do FBI não identificado, o relatório foi preenchido com “informações materialmente falsas e informações materiais omitidas”, diz o documento elaborado por Horowitz.

O escritório do FBI também não compartilhou as alegações com as agências locais ou estaduais.

“As crianças sofreram desnecessariamente porque vários agentes em vários escritórios do FBI se recusaram a compartilhar as alegações contra Nassar com seus colegas oficiais em agências estaduais e locais”, disse o republicano Charles Grassley, que participa da audiência.

FBI classificou o comportamento de funcionário como ‘terrível’, mas não o puniu

No relatório, Horowitz revela que Abbott, que se aposentou do FBI em 2018, também violou a política de conflito de interesses do FBI ao discutir um possível trabalho com o Comitê Olímpico dos Estados Unidos enquanto estava envolvido na investigação sobre os abusos de Nassar.

Nem Abbott nem o outro agente especial de supervisão não identificado que atuou no caso Nassar foram processados ​​por suas ações.

O FBI anteriormente chamou o comportamento de Abbott de “terrível” e disse que o agente especial permanece com o FBI, mas não é mais um supervisor e “não está trabalhando em mais nenhum assunto do FBI”.

Anteriormente, a defesa de Abbott disse em um comunicado que é grato aos promotores por levar Nassar à Justiça.

Quem é o médico Larry Nassar

Nassar foi o principal médico das ginastas olímpicas dos Estados Unidos. Ele foi condenado no tribunal federal dos EUA em 2017 a 60 anos de prisão sob a acusação de posse de material de abuso sexual infantil.

Nassar também trabalhou para a Michigan State University de 1997 a 2016 .

Em 2018, ele foi condenado a 175 e 125 anos, respectivamente, em dois tribunais separados de Michigan por molestar ginastas sob seus cuidados.

Os promotores estimam que ele agrediu sexualmente centenas de mulheres.

(Texto traduzido. Com informações da Reuters)

Mais Recentes da CNN