Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Máfia das Apostas: Justiça torna Alef Manga e mais seis jogadores réus

    Ministério Público de Goiás (GO) ofereceu denúncia contra 14 pessoas nesta etapa da investigação

    Alef Manga era um dos destaques da equipe do Coritiba
    Alef Manga era um dos destaques da equipe do Coritiba Guilherme Griebeler/Coritiba

    Leonardo Parrelada Itatiaia

    O juiz Alessandro Pereira Pacheco, da 2ª Vara de Repressão ao Crime Organizado e Lavagem de Capitais, aceitou a denúncia do Ministério Público de Goiás (MP-GO) contra 14 pessoas supostamente envolvidas no esquema de manipulação de resultados no futebol brasileiro. Agora, os citados se tornam réus.

    Dessa lista, são sete jogadores e sete aliciadores investigados na Operação Penalidade Máxima.

    Os jogadores são:

    • Dadá Belmonte (América-MG)
    • Igor Cariús (Sport, à época no Cuiabá)
    • Alef Manga (Coritiba)
    • Jesús Trindade (ex-Coritiba, sem clube)
    • Pedrinho (Shakthar-UCR, à época no Athletico-PR)
    • Sidcley (CSKA-BUL, à época no Cuiabá)
    • Thonny Anderson (ABC-RN, à época no Coritiba)

    A informação sobre o andamento do processo foi divulgada inicialmente no GE e confirmada pela Itatiaia.

    Os atletas foram denunciados com base no artigo 198 da Lei Geral do Esporte.

    O artigo prevê punição para quem “solicitar ou aceitar, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem patrimonial para qualquer ato ou omissão destinado a alterar ou falsear o resultado de competição esportiva ou evento a ela associado”. A pena é de reclusão de dois a seis anos e multa.

    Thonny Anderson é caso à parte

    A única exceção é o caso de Thonny Anderson, porque o jogador não foi a campo mas ajudou a cooptar o volante paraguaio Jesús Trindade. Ambos jogavam no Coritiba.

    Outras seis pessoas foram denunciadas por aliciamento: Cleber Vinicius Rocha Antunes da Silva, Ícaro Fernando Calixto dos Santos, Luís Felipe Rodrigues de Castro (LF), Romário Hugo dos Santos (Romarinho), Thiago Chambó Andrade e Victor Yamasaki Fernandes.

    Esse grupo foi identificado pelo MP-GO como financiadores e aliciadores dos esquemas. Eles se uniam para fazer o contato com os jogadores e organizar e distribuir os pagamentos.

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em Itatiaia.

    versão original