Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    ONU condena racismo contra Vini Jr. e cobra ações de entidades esportivas

    Alto comissário da ONU para os Direitos Humanos disse que abuso racial enfrentado pelo atacante brasileiro é "lembrete gritante" do racismo no esporte

    Vinicius Jr. durante partida contra o Valencia
    Vinicius Jr. durante partida contra o Valencia Aitor Alcalde/Getty Images

    Léo Lopesda CNN

    em São Paulo

    A Organização das Nações Unidas (ONU) condenou, nesta quarta-feira (24), o caso mais recente de racismo contra o atacante brasileiro Vinícius Júnior e cobrou as entidades esportivas por ações de combate ao racismo.

    O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, declarou que o “abuso racial enfrentado – mais uma vez – pelo jogador de futebol do Real Madrid, Vinícius Júnior, na Espanha, no último domingo, é um lembrete gritante da prevalência do racismo no esporte”.

    Austríaco Volker Türk é o alto comissário das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos.
    Austríaco Volker Türk é o alto comissário das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos. / ONU

    “Apelo aos organizadores de eventos esportivos para que tenham estratégias de prevenção e combate ao racismo”, acrescentou Türk, em discurso durante coletiva de imprensa em Genebra, nesta quarta.

    “Muito mais precisa ser feito para erradicar a discriminação racial – e isso precisa começar ouvindo as pessoas de ascendência africana, envolvendo-as significativamente e tomando medidas genuínas para agir de acordo com suas preocupações”, concluiu o alto comissário.

    Comitê anula expulsão de Vini Jr. e fecha setor de estádio do Valencia

    Um comitê formado por La Liga, Federação Espanhola de Futebol e o Conselho Superior de Esportes decidiu anular a expulsão de Vinicius Jr. contra o Valencia, em partida realizada no último domingo (21).

    O jogador do Real Madrid recebeu o cartão vermelho após ser, mais uma vez, vítima de racismo. Foi possível ouvir os gritos de “Mono” (macaco, em espanhol) por parte da torcida do Valencia.

    No fim do confronto, o brasileiro, revoltado e desestabilizado pelos rivais, foi expulso depois de se desentender com o atacante Hugo Duro, em quem acertou o braço. Ele levou amarelo, mas, após revisão do lance pelo VAR, foi expulso nos acréscimos.

    A decisão do Comitê de Competição, segundo o jornal espanhol Marca, é sem precedentes, e veio após uma longa reunião na tarde desta terça-feira.

    Vinicius Jr. corria o risco de perder o restante do Campeonato Espanhol por conta da expulsão. Com a decisão, ele poderá jogar contra o Rayo Vallecano, no Santiago Bernabéu, nesta quarta-feira.

    O Real Madrid ainda enfrenta o Sevilla, sábado, fora de casa, e encerra a temporada 2022-23 contra o Athletic Bilbao, em Madri.

    “Parte essencial foi omitida da súmula”

    Segundo o Comitê, a decisão do árbitro Ricardo de Burgos Bengoetxea de expulsar Vini Jr. a partir de recomendação do VAR “foi determinada pela omissão de todo o lance ocorrido, o que viciou a decisão arbitral”. “Para a adoção de tal decisão, teria havido omissão de uma etapa essencial para que ela pudesse ser legítima e legalmente adotada”.

    “Os cânticos que incitem a violência e manifestem desprezo contra pessoas por sua origem racial constituem infrações muito graves, desde o ponto de vista jurídico, intoleráveis e condenáveis”, seguiu o Comitê.

    A súmula de Bengoetxea apontou que a expulsão veio depois que Vinicius “acertou com o braço o rosto de um adversário quando a bola não estava em jogo, em um confronto massivo entre jogadores de ambas as equipes. O jogador adversário não precisou ser atendido”.

    Para o Comitê, o lance ocorreu a partir de “uma circunstância extraordinária, grave e totalmente inusitada”, o que justifica “deixar a referida expulsão sem efeito disciplinar.”

    Setor do Mestalla é fechado

    O mesmo comitê decidiu também punir de forma exemplar o Valencia pelos casos de racismo contra Vinicius Jr.

    O setor atrás de um dos gols, de onde saíram os gritos racistas, será fechado por cinco jogos, e o clube foi multado em 45 mil euros (cerca de R$ 240 mil). A decisão foi anunciada pela Federação Espanhola.

    “Considera-se comprovado que, conforme refletido pelo árbitro em sua súmula, houve gritos racistas dirigidos a Vinícius, jogador do Real Madrid CF, durante a referida partida, alterando o normal desenvolvimento da mesma e considerando as infrações gravíssimas”, diz a decisão.

    Ainda segundo o Marca, o Valencia recebeu a notícia com indignação e considera a decisão “desproporcional”. O clube pretende recorrer.