Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Eles começaram a correr na prisão, e agora estão participando de maratonas

    Criado em 2005, clube de corrida é destinado a apoiar reclusos interessados em correr milhares de quilômetros

    Os presos correm 105 voltas no pátio da prisão para completar a maratona
    Os presos correm 105 voltas no pátio da prisão para completar a maratona 26.2 for Life/Divulgação

    Amy Woodyattda CNN

    Na prisão estadual de San Quentin, nos Estados Unidos, e durante décadas enfrentando uma longa sentença, Rahsaan Thomas não estava no auge de sua preparação física e nem esperava que isso mudasse muito.

    Condenado a 55 anos de prisão em 2003 depois de atirar fatalmente em uma pessoa e ferir outra, Thomas se juntou ao 1000 Mile Club, uma equipe de corridas de longa distância da prisão. Inicialmente, foi para ele um “mecanismo de enfrentamento” que o ajudou a processar sua longa e aparentemente interminável pena.

    “Essa quantidade de tempo é alucinante, você acha que é incompreensível. Mas a maneira como você lida com isso é apenas um dia de cada vez, um passo de cada vez”, disse ele à CNN.

    Além de se manter em forma, Thomas diz que correr, o que ele começou a fazer aos 28 anos para se manter em forma com os amigos, “me faz lembrar de casa”. “É uma maneira de tirar minha mente do presente e me concentrar apenas em um passo de cada vez”, explica ele.

    Construído por prisioneiros em 1852, o centro correcional de segurança máxima da Califórnia, que está entre os mais conhecidos e notórios por sua história violenta, não é algo que você associaria imediatamente ao condicionamento físico.

    Imortalizada em documentários, filmes, músicas e até agraciada com uma apresentação ao vivo de Johnny Cash, a prisão é a única instituição do estado que realiza execuções.

    Criado em 2005, o clube de corrida de San Quentin se reúne regularmente e é administrado inteiramente por treinadores voluntários do Tamalpa Running Club, do condado de Marin, que vêm de fora das instalações para compartilhar seu conhecimento e tempo com aspirantes a corredores na prisão.

    Os presos começam com condicionamento físico e correm distâncias mais curtas, antes de potencialmente participarem de uma maratona completa, percorrendo 105 voltas em uma pista irregular e arenosa da prisão até o fim do ano.

    O que começou como um time improvisado destinado a apoiar um pequeno grupo de reclusos interessados em correr 1.600 quilômetros cada, evoluiu agora para um grupo de mais de 50 membros, com participantes que vão desde os 20 e poucos anos até os mais de 70. Muitos membros já correram vários milhares de quilômetros na prisão.

    Os membros do clube trabalham para uma maratona ao longo de um ano / 26.2 to Life/Divulgação

    Ver treinadores vindos do mundo exterior e dedicando seu tempo todas as semanas para treinar dentro da prisão de segurança máxima deu a Thomas um senso de propósito que ele carregou consigo mesmo após ser libertado. Thomas diz que a equipe ajuda a reconstruir conexões dentro da sociedade.

    “Você se sente incluído na sociedade, mesmo sendo excluído dela. É o ingrediente mágico para a reabilitação porque você pode fazer todo tipo de programação através de livros e em um tablet, mas nunca seria o mesmo que acessar as sociedades”, explica ele, que tinha 29 anos na época do crime.

    “Quando você está incluído na sociedade e faz parte desse mundo, você não vai prejudicá-lo porque ele é seu”, acrescenta.

    Agora, a história de Thomas, juntamente com a de vários outros presos, é apresentada no filme “26.2 to Life”, dirigido por Christine Yoo e com estreia na ESPN no último dia 8 de abril.

    A treinadora Diana Fitzpatrick, que é voluntária na prisão, concorda com Thomas sobre os benefícios da corrida, explicando que ajuda os reclusos a se concentrarem no trabalho para atingir um objetivo, bem como na sua dieta e bem-estar.

    “Acho que para muitos homens, quando eles correm, é uma forma de escapar do fato de estarem dentro da prisão e onde você está, você meio que escapa das paredes, escapa do barulho, escapa de tudo que está acontecendo, porque você está realmente apenas focado”, disse ela à CNN, acrescentando que muitos homens ingressam na equipe com muito pouca experiência em corrida.

    “Isso realmente traz você para o presente, o aqui e agora, especialmente quando você está realmente se esforçando como em uma maratona”, diz Fitzpatrick.

    O técnico Jim Maloney diz que o regime de treinamento ajuda os homens a lembrar que “são capazes de fazer coisas difíceis”. “Nosso sistema de encarceramento não apenas pune as pessoas, mas também tende a desumanizá-las”, diz Maloney.

    “Acho que uma coisa que tentamos fazer é ajudá-los a recuperar a sua humanidade e se lembrar de que não são definidos pelo pior momento das suas vidas, pelo crime que cometeram, mas que são seres humanos dignos e que valem a pena”, acrescenta Maloney.

    Markelle Taylor e o técnico Kevin Rumon / 26.2 to Life/Divulgação

    Os Estados Unidos encarceram mais pessoas per capita do que qualquer outro país, de acordo com a Prison Policy Initiative, que afirma que há quase dois milhões de pessoas presas em sistemas federais, estaduais, locais e tribais.

    Apesar dos negros americanos representarem apenas 13,6% da população, eles representam 38,7% da população carcerária, de acordo com o Federal Bureau of Prisons.

    Os negros americanos são encarcerados em prisões estaduais a uma taxa quase cinco vezes maior que a dos americanos brancos, de acordo com estatísticas do The Sentencing Project. Mais de dois terços (69%) da população prisional são pessoas negras ou pardas, e a desvantagem socioeconômica é comum entre esse grupo.

    “Enquanto não entendermos o que é o crime, nunca iremos resolvê-lo. Na maior parte, é pobreza misturada com falta de oportunidades”, disse Thomas à CNN.

    Ele salienta que as pessoas cometem crimes mesmo que as autoridades tenham uma abordagem “dura com o crime” porque “as pessoas, as suas necessidades e as suas emoções estão substituindo a inteligência”.

    Sem julgamento

    Markelle Taylor estava em um ponto baixo de sua vida quando, após 16 anos de uma longa sentença na prisão estadual de San Quentin por assassinato em segundo grau, seu amigo próximo na prisão morreu por suicídio. “Isso me machucou por dentro porque ele era mais como um mentor para mim”, disse Taylor à CNN.

    Para ajudar a lidar com sua dor, Taylor, que fez atletismo no ensino médio, se juntou ao 1000 Mile Club. Os treinadores “não fizeram nenhum julgamento, nunca nos perguntaram quais foram os nossos crimes. Isso me ajudou na recuperação e na transformação da minha vida”, explica Taylor, conhecido como “Markelle, a Gazela” por causa de suas proezas atléticas.

    Ele foi condenado aos 27 anos por espancar a namorada grávida, resultando no nascimento prematuro de seu filho, que morreu um mês depois devido aos ferimentos.

    Correr pode ajudar a saúde física, mental e reabilitação, dizem voluntários na prisão / 26.2 to Life/Divulgação

    Depois de 17 anos de prisão, e agora com 50 de idade, Taylor é corredor e treinador e ganhou a liberdade condicional. Após um ano de adaptação à vida fora da prisão, ele voltou a treinar regularmente.

    Depois de completar a Maratona de San Quentin em três horas e três minutos, Taylor foi elegível para competir na Maratona de Boston, que terminou em duas horas e 52 minutos em 2022.

    “Depois daquele primeiro ano, ficou muito mais fácil para mim ter uma boa rotina, uma rotina de corrida e coisas assim. É por isso que meus tempos ficaram mais rápidos à medida que envelheci”, disse Taylor à CNN.

    “Existem todos esses diferentes obstáculos e dificuldades que são superados em minha vida pessoal e eu os uso como a mesma coisa que tentar o RP (recorde pessoal) ou me esforçar para fazer melhor em todas as corridas”.

    Em 2022, depois de ter estado encarcerado durante 21 anos, Thomas teve a sua pena comutada, com o governador Gavin Newsom observando que ele tinha se “dedicado à sua reabilitação”. Ele completou a Maratona de Nova York em 2023.

    Agora Thomas trabalha com jovens e dirige um programa com cerca de 60 participantes. Ele explica que seu passado informa o que ele faz com sua liberdade recém-adquirida, dizendo: “Eu matei alguém… essa morte é minha força motriz”.

    Thomas, também jornalista, podcaster e produtor, diz que embora saiba que “não pode compensar isso”, ele está “trabalhando o dia todo para tornar o mundo melhor e fazer com que o mundo entenda que se quisermos acabar com o crime, temos que abordar as causas profundas”.

    Dos que concluíram o programa, “temos taxa zero de reincidência”, explica. “Mas há dois milhões de pessoas na prisão”, acrescenta Thomas. “Há um monte de jovens que eu não quero sejam presos e não posso fazer tudo, então preciso que a filosofia se espalhe muito além de mim”.

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original