Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Ex-nadadora dos EUA acusa técnico de abuso sexual; federação teria sido omissa

    Amanda Le, ex-nadadora, acusou em processo o ex-treinador da equipe olímpica, Joseph Bernal, de abuso sexual; segundo Le, USA Swimming sabia

    Amanda Le, ex-nadadora dos EUA, acusou ex-técnico de abuso sexual
    Amanda Le, ex-nadadora dos EUA, acusou ex-técnico de abuso sexual Arquivo pessoal/Jon Little

    Amy SimonsonEric Levensonda CNN

    Amanda Le, ex-nadadora de alto nível dos EUA, acusou seu ex-treinador, Joseph Bernal, de abusar sexualmente dela quando a mesma era menor de idade, e alegou que a USA Swimming, órgão máximo da natação dos Estados Unidos, e outras organizações e indivíduos sabiam do abuso e não fizeram nada para impedi-lo.

    A ex-atleta move uma ação a nível federal contra “os indivíduos e entidades corporativas que permitiram que um conhecido estuprador de crianças trabalhasse como treinador de natação juvenil, que o apoiaram com infraestrutura, posição e prestígio por décadas, e que lhe permitiram acesso total a um ciclo sem fim de meninas para atacar.” O processo diz ainda que Amanda Le era uma dessas garotas.

    Ajuizado no Tribunal Distrital dos EUA, em Massachusetts, na sexta-feira (14), o processo de 33 páginas alega abuso sexual por parte de Joseph Bernal, ex-técnico de natação de Fordham e Harvard que serviu na equipe técnica dos EUA nas Olimpíadas de 1984 e 1988. Ele treinou vários medalhistas olímpicos e recordistas mundiais e foi incluído no Hall da Fama dos Treinadores de Natação Americanos em 2015.

    Ele também fundou o Bernal’s Gator Swim Club, um clube de natação amador, e treinou Le de 2006 a 2010. Segundo a ex-nadadora no processo, Bernal abusou sexualmente dela de 2008 a 2014.

    Treinador banido pela federação

    O processo diz ainda que, em fevereiro de 2016, a USA Swimming baniu Bernal permanentemente por abuso de um “Atleta A” não identificado e que esse atleta era Le. Bernal é citado em um site da USA Swimming que lista indivíduos permanentemente suspensos ou inelegíveis para adesão, devido a “má conduta sexual”. Bernal morreu em outubro de 2022.

    “A USA Swimming está profundamente comprometida com a segurança e o bem-estar de todos os seus membros. A missão do programa Safe Sport é aumentar a conscientização para reduzir o risco de abuso no esporte e nossa organização não tolera violações de nosso código de conduta”, disse o então porta-voz da organização, Scott Leightman, em 2016, em declaração ao The Boston Globe.

    O processo surge em meio a uma série de alegações de abusos e irregularidades nos órgãos governamentais nacionais que supervisionam esportes juvenis de elite, como o USA Swimming. Em 2021, por exemplo, a USA Gymnastics, o Comité Olímpico e Paralímpico dos EUA e as suas seguradoras concordaram em pagar 380 milhões de dólares num acordo com as vítimas de Larry Nassar, o antigo médico olímpico que abusou sexualmente de atletas durante décadas.

    Jon Little, advogado de Le, disse à CNN que existe uma cultura que permite que esse abuso aconteça.

    “Embora o que aconteceu com ela seja triste, está longe de ser incomum”, disse Little. “Pessoas como Larry Nassar e Bernal, que produzem medalhistas olímpicos – enquanto estes tipos produzirem medalhas e dinheiro, podem literalmente abusar de crianças. O sistema foi projetado para proteger os abusadores. Livrar-se de Nassar e Bernal não muda o problema.”

    O advogado disse que Le entrou com a ação para que as crianças soubessem que não estão sozinhas.

    “Ela se sentia sozinha naquela época, mas não agora”, disse Little.

    O que o processo alega

    De acordo com a ação, Le treinou e competiu no Bernal’s Gator Swim Club da Nova Inglaterra, conhecido como BGSC-NE, dos 13 aos 18 anos. Quando ela tinha 15 anos e Bernal estava com mais de 60, ele a beijou depois do treino, e o contato sexual teria aumentado nos anos seguintes.

    “Enquanto estava no ensino médio, Amanda começou a ter ataques de pânico, que ela acreditava na época serem causados ​​apenas pelo estresse da natação; ela sabia que tinha medo de ter um mau desempenho porque seria punida”, afirma o processo. “Amanda também sofria as consequências do abuso sexual, embora não tivesse percebido na época.”

    Em várias viagens noturnas da equipe, Le teria dormido no quarto de hotel de Bernal. Ainda de acordo com o processo, do primeiro ano do ensino médio até o último ano, ela faltava à escola e o treinador a buscava e a levava para sua casa para ter relações sexuais.

    Le foi para a faculdade de 2011 a 2014 e, ainda no primeiro ano, a ex-atleta teria engravidado de Bernal, que pagou por um aborto.

    O abuso continuou mesmo que alguns adultos soubessem disso, de acordo com o processo. Em um caso, a mãe de Le encontrou seu diário, que detalhava seu relacionamento com Bernal, e os pais de Le o mostraram a outro treinador do Gator Swim Club. Esse treinador não contatou as autoridades e “não fez nada para proteger Amanda”, afirma o processo.

    Além disso, a USA Swimming “estava ciente das reclamações sobre o comportamento inadequado de Bernal com nadadoras menores” antes de Le começar o esporte, alega o processo.

    A ação movida por Amanda acusa Bernal, USA Swimming e outros réus de violar a Lei de Proteção às Vítimas do Tráfico. Além disso, o processo acusa Bernal de abuso sexual e os demais de negligência.

    Bernal foi citado anteriormente em um processo de agosto de 2021, no qual Kimberly Stines o acusou de uma “campanha de cinco anos de abuso emocional e sexual sistêmico” iniciada em 1976. A USA Swimming não é réu no processo.

    Little, que também representa Stines, disse que o litígio está em andamento e um julgamento é esperado no final de 2025 ou início de 2026. Ele disse que o sistema falhou em proteger Stines.

    “O sistema falhou com ela e agora ela se sente culpada por existir uma Amanda Le”, disse ele.

    Acompanhe CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original