Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Presidente do STJD assume comando da CBF como interventor

    José Perdiz de Jesus foi designado pelo Tribunal de Justiça do Rio para assumir a confederação, e convocar eleições, após a retirada de Ednaldo Rodrigues do cargo

    Marcel Rizzoda Itatiaia

    O presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), José Perdiz de Jesus, comunicou nesta terça-feira (12) que se afastou do cargo para assumir como interventor da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

    A designação foi feita pelo Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), que tirou Ednaldo Rodrigues da presidência da confederação brasileira e ordenou a realização de uma nova eleição no prazo de 30 dias úteis, a começar a contar de segunda-feira (11) e que deve ser feita até 25 de janeiro.

    Perdiz vai coordenar o processo eleitoral e o pagamento das despesas corriqueiras que permitam o funcionamento da CBF, como salários e afins. O STJD terá no comando nesse período o vice-presidente Felipe Bevilacqua.

    Ednaldo pretende recorrer ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), em Brasília. Seus advogados vão tentar obter uma liminar que anule a decisão dos desembargadores do TJ-RJ até que caso seja tratado pelo STJ. De qualquer modo, se conseguir apoios de federações estaduais e clubes, ele poderá se candidatar à eleição que será marcada.

    Entenda o caso

    O processo que causou o afastamento de Ednaldo Rodrigues está ativo desde 2018, por iniciativa do Ministério Público do Rio de Janeiro, ainda referente à eleição de Rogério Caboclo, antecessor de Ednaldo.

    O MP questiona o estatuto da confederação por estar em desacordo com a Lei Pelé porque previa pesos diferentes para clubes nas votações para a escolha dos presidentes. Os dirigentes das 27 federações estaduais tinham peso 3 na votação, contra peso 2 dos 20 clubes da Série A e peso 1 dos 20 da B.

    A Justiça anulou em 2021 a eleição de Rogério Caboclo e determinou uma intervenção na CBF, nomeando Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, e Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), como os interventores. Essa decisão foi cassada pouco tempo depois.

    A CBF e o Ministério Público fizeram um acordo extrajudicial e assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). O estatuto mudou e os pesos nos votos dos times das séries A e B ficaram iguais.

    Na nova eleição, em 2022, Ednaldo Rodrigues, que estava como presidente interino, foi eleito para um mandato completo de quatro anos, até março de 2026.

    Gustavo Feijó, que era vice na época de Caboclo, acionou a 2ª instância. O pedido era que o TAC fosse anulado, e Ednaldo afastado, alegando que o juiz de 1ª instância não tinha atribuição para homologar o documento. Foi isso que foi acatado na quinta-feira (7) pelo TJ-RJ.

    Acompanhe CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em Itatiaia.

    versão original