Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Roger Federer à CNN: suíço fala sobre treinar os filhos, sua fundação e a despedida do tênis

    Em Londres, ex-tenista foi ovacionado pelo público na quadra central de Wimbledon

    Christina MacfarlaneMatias Grezda CNN

    A chance de ser treinado por Roger Federer certamente seria um sonho para qualquer jovem tenista. Mas não para os próprios filhos do grande tenista suíço, aparentemente.

    As filhas e os filhos gêmeos de Federer agora jogam tênis até quatro vezes por semana e, embora o 20 vezes campeão de Grand Slam frequentemente esteja na quadra com eles, diz que tenta ficar em segundo plano.

    “Não sou o treinador, sou o pai. E o conselho paterno, como sabemos, só vai até certo ponto”, brinca Federer, de 41 anos, em entrevista à CNN. “Não importa se você ganhou Wimbledon ou não, você ainda é o pai e às vezes eles não querem ouvir o que você tem a dizer.”

    “Eu tento ser engraçado, mas ao mesmo tempo também tento ser direto às vezes e apenas ensiná-los. Acho que falo mais sobre a parte técnica, então tento ensiná-los sobre todas as raquetes de tênis.”

    Federer com a esposa Mirka e os filhos
    Federer com a esposa Mirka e os filhos / Clive Mason – Formula 1/Formula 1 via Getty Images

    Federer admite que ficou aliviado quando suas filhas, Myla e Charlene, não demonstraram muito interesse em jogar tênis quando eram mais novas.

    Quando elas nasceram, em 2009, Federer estava no auge e as demandas do circuito, constantemente viajando pelo mundo e passando pouco tempo em casa, teriam dificultado o investimento de tempo em nutrir nas filhas o desenvolvimento e o prazer pelo tênis.

    “Acho que não éramos os pais loucos do tênis que diziam: ‘Garotas, vocês precisam jogar todos os dias por duas horas'”, diz o suíço.

    “Mas agora eu realmente começo a sentir isso agora que estão prestes a completar 14 anos, elas querem jogar mais e mais e mais.”

    Enquanto Federer está entusiasmado com o fato de seus filhos seguirem seus passos na quadra — ele diz que os meninos, Lenny e Leo, em particular, estão se mostrando promissores — é o envolvimento deles em seu trabalho de caridade que ele considera especial.

    Este ano marca o 20º aniversário do lançamento da Fundação Roger Federer, que ajudou mais de 2,5 milhões de crianças em seis países no sul da África e na Suíça.

    Federer em visita à Etiópia em 2010
    Federer em visita à Etiópia em 2010 / Roger Federer Foundation via Getty images

    A fundação de Federer se concentra em fornecer aos pais, professores e comunidades as ferramentas para poder dar às crianças uma educação sólida. Sua viagem mais recente foi ao Lesoto, que em 2020 se tornou a sexta nação da África Austral a fazer parte da fundação.

    “Qualquer viagem é sempre muito especial para mim, mas esta foi ainda mais especial porque foi a primeira vez que todos os quatro filhos puderam se juntar à minha esposa e minha mãe também”, diz Federer.

    “Então foi muito bom. Ficamos lá três ou quatro dias viajando pelo Lesoto, um país onde nunca estive. Quando chegamos lá, foi menos uma viagem para mim, mas mais uma viagem para as crianças. Portanto, era mais adequado para eles, para que pudessem brincar com as crianças nas escolas, correr, jogar bola e ler uns para os outros.”

    “Foi muito divertido, honestamente, vê-lo como um pai e esperando que eu pudesse acender o fogo para o trabalho de caridade e para meus filhos, acho que foi muito especial. Então foi uma ótima viagem.”

    Durante sua visita ao Lesoto, Federer brincou com as crianças, leu livros para elas e sentou-se com os professores para conversar sobre o valor de ensinar responsabilidades aos jovens. Ele acredita que é “muito importante colocar a mão na massa” durante o tempo que passa nessas viagens.

    “Para ver a confiança deles crescer e para ouvir que está realmente funcionando o que estamos tentando implementar. No fim das contas, você tem que dar a eles o poder”, diz ele.

    Nesta terça-feira (4), antes da partida da atual campeã feminina de Wimbledon, Elena Rybakina, Roger Federer foi homenageado com uma cerimônia especial na icônica quadra central do All England Lawn Tennis and Croquet Club.

    O oito vezes campeão de Wimbledon foi saudado com uma arrebatadora ovação de pé quando foi apresentado à multidão e entrou no Royal Box. Foi uma celebração digna de um jogador que proporcionou a essa torcida inúmeros momentos memoráveis durante seus 24 anos de carreira.

    O choro na despedida

    Em 23 de setembro de 2022, Federer entrou em quadra como tenista profissional pela última vez. Foi apropriado que ele tenha feito isso ao lado de Rafael Nadal, já que a dupla — que proporcionou aos fãs de tênis a maior rivalidade de todos os tempos do esporte — jogou em duplas na Laver Cup em Londres.

    Federer e Nadal na despedida do suíço, em 2022, na Laver Cup
    Federer e Nadal na despedida do suíço, em 2022, na Laver Cup / Divulgação

    Mesmo aos 40 anos, Federer diz que tinha toda a intenção de voltar ao circuito depois de várias cirurgias no joelho, mas acabou tendo que admitir que sua última lesão havia levado a melhor sobre ele.

    Não houve um final de conto de fadas, uma vez que Federer e Nadal foram derrotados por Jack Sock e Frances Tiafoe na Arena O2, mas depois de “temer muito, muito” o momento de sua aposentadoria, o superastro suíço diz que não poderia ter pedido um final mais perfeito para a sua notável carreira.

    “Na verdade, não falei com ninguém sobre isso”, diz ele. “Era mais uma questão de fugir disso, mas eventualmente [eu tive que] decidir: Onde vou me aposentar? Quão doloroso será? Ou quanto isso será uma celebração?”

    “Mas acabou sendo tudo e mais para mim. Eu pensei que era lindo estar cercado por Rafa, Novak [Djokovic], [Andy] Murray, [Björn] Borg, [John] McEnroe, [Rod] Laver, você escolhe, [Stefan] Edberg, eles estavam todos lá, minha equipe, minha família. Então foi um final muito, muito bom, porque eu estava realmente temendo o momento em que eu me despediria do tênis.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original