Conheça os projetos ambiciosos para uma "estação espacial" debaixo d’água


Jacqui Palumbo Da CNN
25 de julho de 2020 às 16:37
Alt

Estação vai abrigar cientistas e pesquisadores de todo o mundo

Reprodução: Fuseproject

A 15 metros abaixo da superfície do Mar do Caribe, o explorador Fabien Cousteau (neto do lendário Jacques Cousteau) e o designer industrial Yves Béhar estão planejando a maior estação e habitat de pesquisa subaquática do mundo.

A dupla apresentou o Proteus de Fabien Cousteau, um laboratório modular de 370 metros quadrados que ficará embaixo da água na costa de Curaçao. Ele será um lar para cientistas e pesquisadores de todo o mundo que estudam o oceano, incluindo pesquisas sobre os efeitos das mudanças climáticas, a vida marinha e os avanços na medicina.

Projetados como uma estrutura circular de dois andares, ancorada em um palanque sobre palafitas, os casulos da Proteus contêm laboratórios, aposentos pessoais, baias médicas e uma moon pool, a abertura no piso para os mergulhadores acessarem o fundo do oceano. Alimentada por energia eólica e solar e pela conversão de energia térmica do oceano, a estrutura também apresentará a primeira estufa subaquática para o cultivo de alimentos, além de um estúdio para produção de vídeo.

O Proteus pretende ser a versão subaquática da Estação Espacial Internacional (ISS), onde agências governamentais, cientistas e o setor privado podem colaborar no espírito do conhecimento coletivo, independentemente das fronteiras.

“A exploração oceânica é mil vezes mais importante do que a exploração espacial para a nossa sobrevivência, nossa trajetória no futuro, falando de forma egoísta”, disse Cousteau em uma videochamada, ao lado de Béhar. “É o nosso sistema de suporte à vida. É a própria razão pela qual existimos em primeiro lugar.”

O design recém-revelado é a última etapa deste ambicioso projeto. Segundo Cousteau, levará três anos para a instalação do Proteus, embora a pandemia de coronavírus já tenha atrasado o projeto.

Gigante não descoberto

Embora os oceanos cubram 71% da superfície do mundo, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos EUA estima que os humanos tenham explorado apenas cerca de 5% e mapeado menos de 20% dos mares do mundo.

A exploração espacial recebe mais atenção e financiamento do que sua contraparte aquática, algo que Cousteau espera remediar com Proteus – e, eventualmente, uma rede mundial de habitats de pesquisa subaquática. De acordo com Cousteau, as instalações estacionadas em diferentes oceanos podem alertar sobre tsunamis e furacões. Elas também poderiam ser pioneiras em novas e ambiciosas pesquisas sobre sustentabilidade, energia e robótica.

Os habitats subaquáticos permitem que os cientistas realizem mergulho contínuo diurno e diurno sem exigir horas de descompressão entre mergulhos. Como os astronautas no espaço, eles podem ficar debaixo d'água por dias ou semanas seguidas.

Atualmente, o único habitat subaquático que existe é o Aquarius, de 37 metros quadrados, em Florida Keys, no qual Cousteau ficou com uma equipe de aquanautas por 31 dias em 2014. Projetado em 1986 e originalmente de propriedade da NOAA, ele foi salvo em 2013 pela Universidade Internacional da Flórida. O local estava abandonado desde que a NOAA perdeu o financiamento do governo.

Leia também: 

SpaceX: astronautas fazem caminhada do lado de fora de estação espacial

Tradição familiar

Cousteau vem de uma família de famosos exploradores oceanográficos. Ele é filho do cineasta Jean-Michel Cousteau e neto do cocriador de Aqua-Lung, Jacques-Yves Cousteau. O projeto é um esforço conjunto entre o Fabien Cousteau Ocean Learning Center (FCOLC) e a empresa de design da Béhar, Fuseproject, além de seus parceiros, que incluem a Universidade Northeastern, a Universidade Rutgers e a Caribbean Research and Management of Biodiversity Foundation.

Apesar de sua ênfase na pesquisa oceânica, Cousteau afirma ser “um grande defensor da exploração espacial”, observando que as duas missões são de natureza semelhante, por exigirem que os humanos estejam isolados em condições extremas e insustentáveis. Por esse motivo, o projeto de Béhar, que pode acomodar até 12 pessoas, concentra-se no bem-estar e nas capacidades científicas e tecnológicas, incluindo áreas de recreação e janelas projetadas para deixar o máximo de luz possível.

“Recentemente, desenvolvemos trabalhos para muitos ambientes pequenos. Trabalhamos em móveis robóticos para apartamentos minúsculos”, contou Béhar sobre o Fuseproject.

“Então, acho que tivemos uma boa noção de como projetar para o conforto em ambientes restritos. Dito isto, o ambiente subaquático é completamente diferente”.

“Queríamos que fosse novo, diferente, inspirador e futurista”, continuou ele. “Então, analisamos tudo, desde ficção científica a casas modulares e hotéis em casulos japoneses." O design também tem o objetivo de ecoar a vida do oceano, com sua estrutura inspirada na forma de pólipos de coral.

Béhar e sua equipe estudaram os habitats de pesquisa subaquática que vieram antes de Proteus, incluindo o Aquário. Todos os outros precursores eram estruturas temporárias construídas para missões únicas, como os SEALAB I, II e III experimentais da NASA, da década de 1960.

“Esses habitats foram construídos de propósito, eram pequenos e tinham grandes limitações”, disse Cousteau. “Então, estamos construindo a partir da base de todos aqueles pioneiros surpreendentes que vieram antes de nós."

Mergulhando à frente

Embora o projeto tenha algum apoio do setor privado, os criadores buscam mais financiamento. Além dos patrocinadores, os laboratórios úmidos e secos da estação podem ser alugados para agências governamentais, corporações e instituições acadêmicas.

Parte do plano é oferecer visibilidade regular sobre o que está acontecendo no Proteus, incluindo transmissões ao vivo e conteúdo de VR/AR. Dessa forma, Cousteau espera envolver um público mais amplo.

“Imagine se você encontrasse algo incrível – algo microcósmico como um medicamento ou macrocósmico como um animal gigante – e pudesse mostrá-lo a salas de aula e universidades", disse ele.

“Nossa missão é ser capaz de traduzir ciência complexa em algo que a pessoa comum não apenas entenda, mas se apaixone por ela”. 

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).