Escritório cria cidade no metaverso inspirada em micronação da vida real

A Liberland Metaverse é inspirada na República Livre de Liberland, uma nação fundada pelo político tcheco Vit Jedlicka, em 2015, entre a Croácia e a Sérvia

Liberland Metaverse masterplan renderingPress handouts from Zaha Hadid Architects (ZHA)Source/credit is ZHA
Liberland Metaverse masterplan renderingPress handouts from Zaha Hadid Architects (ZHA)Source/credit is ZHA ZHA/Divulgação

Jacqui Palumboda CNN

Ouvir notícia

Um dos escritórios de arquitetura mais proeminentes do mundo está projetando um novo metaverso – uma cidade virtual que espera ser uma utopia libertária.

Zaha Hadid Architects (ZHA) revelou renderizações do “ciber-urbano” Liberland Metaverse, uma pequena cidade virtual feita de edifícios futuristas e curvos no estilo arquitetônico que tornou famoso o escritório do falecido arquiteto.

Quando concluído, essa cidade oferecerá aos usuários a capacidade de percorrer o hub como um avatar e apresentará uma prefeitura, espaços de trabalho colaborativos, lojas, incubadoras de negócios e uma galeria para exposições de arte NFT. A comunidade que espera promover terá foco na autogovernança, com menos regras e regulamentos.

 

 

Esses ideais são baseados na chamada República Livre de Liberland, uma micronação da vida real fundada pelo político tcheco Vit Jedlicka em 2015 com o objetivo de implementar valores libertários de pequenos governos.

Encravado entre a Sérvia e a Croácia, o território de quase 5 quilômetros, que é maior que o Vaticano e Mônaco, é uma terra disputada e reivindicada por nenhum dos países.

Desde a sua fundação, ninguém se mudou para Liberland, que carece de infraestrutura – nem a construção começou ainda. Mas tem 7.000 residentes aprovados e 700.000 inscrições, de acordo com as informações da Jedlicka enviadas à CNN por e-mail. A micronação também tem uma bandeira nacional, hino e moeda – a criptomoeda Liberland.

Na época de sua fundação, tanto a Sérvia quanto a Croácia rejeitaram a micronação, com o Ministério das Relações Exteriores da Sérvia dizendo que a consideravam “um ato frívolo que não precisa de mais comentários”. Liberland não foi reconhecido por nenhuma outra nação.

Mas agora a micronação espera se firmar no mundo virtual. Os metaversos, que geralmente são construídos usando a tecnologia blockchain, são um espaço ideal para os ideais do libertarianismo prosperarem, de acordo com o principal arquiteto da ZHA, Patrik Schumacher, por causa dos objetivos compartilhados da filosofia política de descentralização e autonomia. Ele está interessado em Liberland desde que foi fundado em 2015 e logo depois participou de sua primeira conferência.

“É uma cena muito animada de colaboradores… Muitos empresários de TI, cripto e tecnologia que acham o mundo muito restritivo”, descreveu.

Liberdade na arquitetura

Uma renderização da praça Liberland Metaverse / ZHA/Divulgação

Embora muitos conceitos do metaverso tenham nascido da estética dos videogames – o conceito de Mark Zuckerberg para um Metaverso, por exemplo, parece semelhante ao design do avatar do Nintendo Wii – a arquitetura digital de Liberland deve ser mais fundamentada na realidade.

Os edifícios, embora hiper-futuristas, são semelhantes à aparência brilhante de renderizações arquitetônicas típicas. Mas eles foram feitos com design paramétrico – um método que emprega algoritmos para criar formas complexas.

“Acredito que o metaverso não é um mundo de fantasia. Não é um videogame”, disse Schumacher. “(A arquitetura do metaverso de Liberland) é incomum e única, mas ao mesmo tempo é realista em relação aos tipos de arquitetura que já construímos e que virão.”

No entanto, acrescentou, há mais liberdade no design virtual. As renderizações mostram a capacidade da empresa de ultrapassar os limites do que eles poderiam alcançar com edifícios físicos, de recursos impossíveis, como telhados flutuantes, a vastos interiores que não precisam levar em consideração considerações como eficiência energética. Schumacher também está animado com a possibilidade de ambientes adaptativos, com salas como auditórios que podem se expandir com base no número de usuários neles.

O metaverso faz referência direta ao mundo real, imitando as mesmas fronteiras da República Livre de Liberland. Um dos principais atrativos do projeto será seu sistema de propriedade virtual e física da terra, com partes interessadas digitais também possuindo parte do terreno. Mas esses detalhes ainda estão sendo resolvidos, explica Schumacher.

“Pode ser uma proporção; pode ser um pedaço de terra em particular – ainda não descobrimos completamente”, disse ele. “Mas gostamos dessa integração de terreno virtual e real. E essa é uma das premissas centrais do projeto.”

Tendências libertárias

Liberland Metaverse terá “incubadoras” para inovação tecnológica / ZHA/Divulgação

Então, de que outra forma um metaverso libertário será diferente de outros ambientes metaversos?

“Essa é uma pergunta interessante”, disse Schumacher.

Embora a infraestrutura digital e suas políticas ainda estejam em andamento, ele descreve como um espaço digital com diferentes áreas, onde “certas zonas estarão livres de regulamentação coletiva” – embora os usuários ainda estejam sujeitos às leis em seus países.

Mas enquanto muitos fóruns on-line e empresas de mídia social tiveram que lidar com o quanto moderar seus usuários, com sites como o Reddit tendo que se afastar de seus ideais de liberdade de expressão absoluta à medida que sua base de usuários aumentava, Liberland começará como um espaço exclusivo, a fim de manter sua comunidade sob controle. Jedlicka confirmou que os cidadãos e residentes de Liberland terão o primeiro acesso.

Schumacher está otimista sobre o metaverso de Liberland permanecer um espaço digital livre de regras. “Se você começar com um ambiente limpo e não jogar lixo, isso pode ser mantido sem muito policiamento”, disse ele.

Atualmente, parte do metaverso está sendo testado por meio de dois andares virtuais em um dos prédios – uma área de coworking aberta a convidados 24 horas por dia, que podem explorar o espaço como avatares, conversar entre si e compartilhar suas telas em uma das janelas da sala, que funciona como uma tela de apresentação.

No dia 13 de abril, aniversário do terceiro presidente americano e herói libertário Thomas Jefferson e aniversário da Liberland física, haverá uma festa de abertura para 100 pessoas, que poderão circular entre alguns espaços da cidade.

Embora ainda não esteja claro se o hype em torno dos metaversos se traduzirá em adoção em massa, Schumacher está comprometido com a visão. A empresa estreou um espaço de exposição virtual com o artista Kenny Schachter durante a Art Basel em 2021 e tem outro projeto de metaverso não revelado em andamento.

Schumacher acredita que todas as instituições no futuro terão espaços físicos e digitais, catalisados ​​pela necessidade de estar mais online durante a pandemia.

“Acho que esses espaços híbridos (e) de realidade mista serão muito importantes em todos os locais de trabalho”, disse ele. “Acho que será absolutamente difundido.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN