Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fotógrafo tem como missão capturar imagens de 20 mil espécies de animais

    Joel Sartore fotografou 13 mil espécimes e tenta chamar atenção para preservação da biodiversidade

    Esta foto de Lucy, uma pantera da Flórida no Lowry Park Zoo de Tampa
    Esta foto de Lucy, uma pantera da Flórida no Lowry Park Zoo de Tampa Joel Sartore/National Geographic Photo Ark

    Nell Lewisda CNN

    Ouvir notícia

    Um maçarico de bico de colher entra no quadro, indo direto para um pequeno inseto colocado lá como isca. Ele varre sua comida com seu bico em forma de colher e sai pela esquerda do palco.

    A apresentação é para Joel Sartore, fotógrafo americano e fundador da National Geographic Photo Ark, um esforço pessoal para documentar todas as espécies em cativeiro ao redor do mundo.

    A ave criticamente ameaçada, da qual existem menos de 1.000 indivíduos na natureza, é a 13.000ª espécie que Sartore fotografou em 16 anos. Seu objetivo final é fotografar 20 mil.

    Ele espera que essa imagem, e todas as outras, ajudem a inspirar ações por meio da educação e evitem a extinção em massa de animais.

    “A Photo Ark é minha tentativa desesperada e de última hora de tentar chamar a atenção do público”, disse Sartore.

    Estilo de assinatura

    Antes de começar a Photo Ark, Sartore passou mais de uma década trabalhando como fotógrafo para a revista National Geographic, cobrindo principalmente histórias de conservação no campo. Ele tinha visto a vida selvagem diminuindo em primeira mão, mas sentiu que o público não estava interessado.

    Sartore pensou em uma nova maneira de envolver as pessoas. Ele pegou sua câmera e começou a tirar fotos da vida selvagem — mas em vez de gravar animais na natureza, o profissional queria fotografá-los fora de seu habitat natural.

    Joel Sartore fotografou um lagarto de pescoço folho na Austrália. / Douglas Gimesy

    Ele visitou zoológicos, aquários e centros de reabilitação e fotografou retratos de animais individuais contra um pano de fundo branco ou preto genérico — assim como uma típica sessão de estúdio.

    “Isso elimina as distrações e permite que você olhe nos olhos e veja que há uma grande beleza e inteligência lá, e que vale a pena salvá-las”, disse ele. “Somos primatas e respondemos ao contato visual acima de tudo.”

    A resposta foi realmente enorme. Sartore tem mais de 1,6 milhão de seguidores no Instagram e uma série best-seller de livros Photo Ark. Suas imagens icônicas foram projetadas no Empire State Building em Nova York e na Basílica de São Pedro no Vaticano.

    Mas é claro que uma curtida no Instagram não se traduz instantaneamente em um ato de conservação. Sartore espera que a conscientização sobre essas espécies ajude a trazer apoio aos esforços de conservação. Parte dos lucros de seus livros também vai para financiar esforços de conservação e educação.

    Gary Ward, curador de pássaros do ZSL London Zoo, onde Sartore já fotografou, acredita que a fotografia pode ajudar a promover a conscientização sobre as ameaças aos animais e trazer publicidade a espécies menos conhecidas. “Ver é o primeiro passo para cuidar, e cuidar é o primeiro passo para a ação de conservação”, disse ele.

    O estilo único de Sartore “permite que as pessoas se concentrem puramente na beleza e na singularidade de cada animal”, disse Ward, acrescentando que as imagens destacaram zoológicos, aquários e programas de reprodução em todo o mundo que foram cruciais para a sobrevivência de muitas espécies.

    Criaturas grandes e pequenas

    Quando se trata de envolver o público nos esforços de conservação, geralmente são os animais icônicos, como tigres e gorilas, que recebem mais atenção. Sartore acredita que é vital que ele não se concentre apenas nos peludos e fotogênicos. Ele fotografou tudo, desde formigas e mosquitos a elefantes e abutres.

    “A maioria das espécies ameaçadas não é uma grande megafauna carismática”, disse ele. “Eles são camundongos, são mexilhões, são peixinhos. São coisinhas que vivem no solo ou na água lamacenta — e ninguém conseguiu uma boa imagem deles.”

    Ward admira a determinação de Sartore de iluminar todas as espécies grandes e pequenas. “Se não dermos atenção significativa a insetos e anfíbios e outras espécies vitais e fascinantes tradicionalmente percebidas como menos atraentes, estaremos ignorando mais de 95% da biodiversidade do mundo”, disse ele.

    De acordo com a ONU, um quarto de todas as espécies estão ameaçadas de extinção — e desses anfíbios são os que estão em maior risco.

    Sartore se lembra de ter capturado uma imagem do último sapo-arborícola sobrevivente conhecido do Rabb. Em 2016, três anos depois de tirar sua fotografia no Atlanta Botanical Gardens, o sapo, chamado Toughie, morreu, tornando a espécie extinta.

    “Isso me deixa triste, mas também me deixa extremamente irritado”, disse Sartore, “não estou espalhando a notícia rápido o suficiente.”

    Mas, embora o relógio esteja correndo, ele enfatiza que não é tarde demais: “Já vi algumas (diferentes espécies) serem extintas, mas a maioria está aqui e pode fazer um rebote”.

    Em cativeiro

    Ao se concentrar em animais sob cuidados humanos, Sartore admite que mostrará apenas uma pequena seção transversal da vida selvagem do mundo. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza, existem mais de 2 milhões de espécies descritas no planeta, e ele pretende fotografar apenas 1% delas.

    Mas isso permite que ele destaque espécies que já estão extintas na natureza e aquelas que seriam difíceis de tirar retratos em seu habitat natural. “É muito difícil convencer um tigre a sair da floresta na Índia e deitar no meu fundo com as luzes”, disse ele.

    Ele também permite que ele fotografe em um ambiente controlado, o que significa que o animal pode ser mantido seguro e confortável, com tratadores ou cuidadores à disposição para aconselhar sobre seu comportamento.

    Photo Ark agora é um emprego em tempo integral, e Sartore antecipa que, com quase 60 anos, é provável que ocupe a maior parte do resto de sua vida e talvez além, se seu filho, que às vezes o acompanha nas filmagens, assume.

    Na pior das hipóteses, Sartore espera que a coleção Photo Ark dê um instantâneo de como era a vida na Terra antes que essas espécies fossem perdidas.

    Mas, na melhor das hipóteses, ele disse, pode ser uma coleção de fotos que move o mundo a se posicionar e começar a dizer: “Eu me importo com isso, o que posso fazer?”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN