Itália registra mais 812 mortes pelo novo coronavírus; país tem 11.591 vítimas

Agência de Proteção Civil do país informou também que 4.050 novos casos foram confirmados nessa segunda-feira, menor valor diário desde 17 de março

Da CNN, em São Paulo
30 de março de 2020 às 15:23 | Atualizado 30 de março de 2020 às 16:52
Caixões numa igreja em Serina, na Lombardia, região da Itália mais atingida pelo coronavírus
Foto: Flavio Lo Scalzo - 22.mar.2020/ Reuters

O número de mortos pela pandemia do novo coronavírus na Itália aumentou em 812 pessoas nesta segunda-feira (30), revertendo dois dias de queda e chegando a 11.591 vítimas, informou a Agência de Proteção Civil do país.

Por outro lado, o país registrou 4.050 novos casos nesta segunda, o número de infecções mais baixo para um dia desde 17 de março, atingindo um total de 101.739 pessoas. O declínio no total de casos, no entanto, pode ser parcialmente explicado por uma redução no número de testes feitos na última semana.

Os italianos estão sob bloqueio nacional há três semanas e as autoridades disseram que as restrições, que deveriam terminar na sexta-feira (3), devem ser estendidas por pelo menos mais duas semanas.

"Temos que chegar a um acordo com outras regiões, mas acho que estamos falando sobre [manter o bloqueio] até pelo menos meados de abril", disse Attilio Fontana, governador da Lombardia, região mais afetada pela doença, com quase 60% do total de mortes e cerca de 40% dos casos.

Assista e leia também:

Contra coronavírus, Hungria concede poder irrestrito a Orban

'Aprender pelos números é a forma mais eficiente', diz bióloga isolada na Itália

Fontana disse que as restrições sem precedentes à movimentação, às reuniões e às atividades comerciais impedem um aumento exponencial de casos e precisam ser mantidas. "Estamos no caminho certo, mantivemos uma linha [nos gráficos] em vez de aumentar, mas também não diminuímos", disse ele.

O chefe do instituto nacional de saúde, Silvio Brusaferro, que assessora o governo sobre como lidar com a pandemia, disse que "o número de novos casos tem que cair significativamente" para que as restrições sejam atenuadas.

"Com certeza a reabertura acontecerá gradualmente... Estamos até considerando a ideia britânica de 'parar e retomar’, que prevê abrir as coisas por um certo período de tempo e depois fechá-las novamente", disse ele ao jornal La Repubblica.

Riscos aos profissionais de saúde

Ressaltando os perigos da doença, a associação nacional de médicos da Itália anunciou a morte de mais 11 médicos nesta segunda-feira, elevando o total para 61.

Nem todos foram testados para o coronavírus antes de morrerem, mas as mortes deles estão vinculadas à epidemia.

Com informações da Reuters

CORREÇÃO: Diferentemente do que informava versão anterior deste texto, o número de mortos pelo novo coronavírus nesta segunda-feira (30) na Itália foi de 812, e não 815. O texto já foi corrigido.