Fumaça na região de Chernobyl ameaça e moradores já não podem abrir janelas

Neblina chega na capital da Ucrânia, aumenta a poluição e os índices de radioatividade

Da CNN
17 de abril de 2020 às 09:50
Vista aérea de incêndio em floresta na zona de exclusão perto da antiga usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia
Foto: Reuters TV - 12.abr.2020/via REUTERS

A capital da Ucrânia está coberta de fumaça depois que os incêndios florestais na zona de exclusão de Chernobyl e a na região de Jitomir (com cerca de 270 mil habitantes) voltaram a aparecer.
 
A administração da cidade decretou que os moradores de Kiev fiquem em casa e fechem as janelas. O comunicado foi publicado na noite dessa quinta-feira (16). 

A neblina de fumaça dos incêndios paira sobre a capital ucraniana de Kiev.
Foto: SERGEI SUPINSKY/AFP via Getty Images

O fundo de radiação na capital está dentro da faixa normal, em 0,14 microsieverts (µSv), com o padrão sendo 0,30 µSv”, diz o aviso. O sievert uma unidade usada para avaliar o impacto da radiação ionizante sobre os seres humanos. 
 
"De acordo com dados do observatório geofísico, houve um excesso de formaldeído e dióxido de nitrogênio", esclareceu o pronunciamento, que aponta riscos à saúde, uma vez que o primeiro trata-se de um gás incolor extremamente irritante para as mucosas; e o segundo, causa e agrava doenças respiratórias (entre outras complicações em ambos os compostos). 
 
A mídia estatal ucraniana apontou que vários sites de rastreamento, incluindo o IQAir (companhia suíça detentora de tecnologia que indica poluentes transportados pelo ar), informaram que ontem (16) o índice de qualidade do ar em Kiev atingiu 380 IQAs, que entra na categoria de avaliação péssima ou crítica, apior na escala.

Enquadramento por categoria em função do Índice de Qualidade do Ar (IQA) divulgado pela rede de monitoramento da região metropolitana de Curitiba.
Foto: Divulgação/Instituto Ambiental do Paraná

Sendo assim, o índice foi classificado como "perigoso" por apresentar variação acima de 300 IQAs. 
 
Os níveis de radiação próximos ao local do desastre nuclear de Chernobyl aumentaram no início deste mês após os incêndios consumirem uma área de 20 hectares – equivalente a 28 campos de futebol.

Imagem de contador Geiger perto do incêndio em Chernobyl mostra leitura de radiação pouco abaixo do máximo permitido de 0,5 µSv/h (Foto: Yaroslav Emelianenko - 5.abr.2020/ AFP/ Getty Images)
Foto: Yaroslav Emelianenko/ AFP/ Getty Images

Os incêndios na zona de exclusão de Chernobyl foram extintos em 14 de abril devido às chuvas, mas voltaram a ocorrer dois dias depois em três novos locais, devido aos ventos fortes, segundo o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia.
 
O serviço enfatizou que os incêndios não representam uma ameaça para a usina nuclear e a infraestrutura crítica ao seu redor.