Espanha tem menos de 100 mortes pelo terceiro dia e vê protestos por reabertura

Mais de 27,7 mil pessoas morreram vítimas da Covid-19 no país europeu; manifestantes veem restrição ao direito de circulação

Da CNN, em São Paulo
19 de maio de 2020 às 17:20
Pessoas caminham, se exercitam e tomam sol na orla em Barcelona, na Espanha, neste sábado, 2 de maio de 2020.
Foto: Emilio Morenatti/AP/Agência Estado

O número de mortes diárias na Espanha devido ao coronavírus aumentou ligeiramente na segunda-feira (18), com 83 novos registros, mas ainda foi inferior a 100 pelo terceiro dia consecutivo, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde da Espanha nesta terça-feira (19).

Os três últimos números diários de mortes são os mais baixos registrados em mais de dois meses no país, onde o número total de mortes é superior a 27.700.

Mesmo assim, o governo espanhol disse nesta terça (18) que vai buscar uma extensão de duas semanas para seu estado de emergência. No último fim de semana, o primeiro-ministro Pedro Sánchez havia dito que a prorrogação seria de um mês, mas agora diminuiu para duas semanas. 

A mudança de última hora ocorre enquanto o governo, que é da minoria socialista, tenta obter votos suficientes no Parlamento para aprovar qualquer extensão da ordem de confinamento na quarta-feira (20/05), e que vem sendo submetida a ataques crescentes dos líderes da oposição.

Assista e leia também:

Por reação à Covid-19, premiê neozelandesa é a mais popular do país em 100 anos

Bolsonaro e Araújo realizam novas trocas no Itamaraty em postos estratégicos

Durante semanas, os espanhóis que se opõem ao governo batem em potes de suas janelas e varandas à noite. 

Mas, começando em um bairro conservador e rico de Madri na semana passada, os protestos foram às ruas, com o apoio de grupos e partidos de direita. Pessoas envoltas em bandeiras espanholas e outras exigiram que seu direito à livre circulação, restrito pelo estado de emergência, fosse restaurado.

A ministra das Finanças, Maria Jesus Montero, que é também porta-voz do governo, disse em entrevista coletiva nesta quarta-feira que os manifestantes “estão pedindo liberdade de movimento, que é a liberdade de se infectar" com o coronavírus, disse.