Obama escreve artigo sobre protestos por morte de George Floyd 

Ex-presidente defendeu que americanos não devem “perdoar” ou “participar” da violência nos EUA e pediu união em prol de mudanças no país 

Da CNN
01 de junho de 2020 às 14:53
Obama fala sobre coronavírus (COVID-19)
Ex-presidente dos EUA, Barack Obama declarou que a melhoria do código de ética da Justiça americana está nas mãos de manifestantes
Foto: Al Diaz / Miami Herald / Getty Images

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama condenou nesta segunda-feira (01) a violência e a brutalidade policial no país e pediu soluções políticas para atender às reclamações levantadas por protestos após a morte de George Floyd, contra as falhas do sistema judicial americano. 

A mensagem de Obama, publicada como artigo em sua página no Medium, foi um adendo às suas declarações na última semana, logo após o assassinato de Floyd por quatro policiais em Minneapolis, cidade do estado de Minnesota.

Na ocasião, o democrata falou que o assassinato “não deveria ser ‘normal’ nos Estados Unidos de 2020.”

“Não devemos perdoar a violência, a racionalizar, ou participar dela. Se nós queremos que nosso sistema judicial, e a sociedade americana como um todo, operem em um código de ética superior, então temos que modelar esse código nós mesmos”, escreveu o ex-presidente, depois de um final de semana com escalada das manifestações em diversos estados. 

Leia também: 

Caso George Floyd desencadeia protestos em pelo menos 140 cidades dos EUA

Manifestantes nos EUA descrevem motivos de sua revolta

Obama ainda acrescentou: “a conclusão é esta: se você quer provocar mudanças reais, então a escolha não é entre protestos e política. Nós temos que praticar ambos. Nós temos que nos mobilizar para conscientizar, e temos que organizar e deixar nossos votos para garantir que elegemos candidatos que irão agir por uma reforma.”

Em sua declaração anterior sobre o caso, na sexta-feira (29), o democrata exigiu das autoridades de Minnesota a busca por justiça para a morte de Floyd, de 46 anos, que morreu depois de ser abordado na saída de uma loja de conveniência. Um dos policiais envolvidos, Derek Chauvin, ajoelhou por vários minutos no pescoço do homem, negro, que avisava não estar conseguindo respirar. 

Ele foi declarado morto pouco depois em um hospital nos arredores, causando revolta da população americana depois que o vídeo do abuso policial veio à tona. 

“Recai sobre todos nós, independentemente de nossa raça ou posto - incluindo a maioria dos homens e mulheres da segurança pública que tem orgulho de cumprir seu difícil trabalho da maneira correta, todos os dias - a obrigação de trabalhar juntos para criar um ‘novo normal’ em que o legado da intolerância e do tratamento desigual não infecte mais nossas instituições e nossos corações”, disse Obama na ocasião.