Conselho em Minneapolis vê alternativa para substituir polícia

Maioria pede veto do conselho que, no domingo (07), pediu a dissolução do Departamento de Polícia após a morte de George Floyd

Da Reuters Nathan Layne, da Reuters
09 de junho de 2020 às 09:07 | Atualizado 09 de junho de 2020 às 09:15

Painel homenageia George Floyd em Minneapolis, no estado americano de Minnesota

Foto: Nicholas Pfosi/Reuters (4.jun.2020)

Quatro membros do Conselho Municipal de Minneapolis, favoráveis à substituição do Departamento de Polícia da cidade, apresentaram, nessa segunda-feira (08), planos para alterar repasses de verbas a programas baseados na comunidade, a fim de reduzir a violência e limitar a necessidade de uma força armada de policiamento. 

O conselheiro Jeremiah Ellison disse, em teleconferência com a imprensa, que as discussões com a comunidade podem durar um ano, até que se desenvolva “um aparato inteiramente novo para a segurança pública”, em substituição ao Departamento de Polícia de Minneapolis.

"Acredito que há um erro que muitas pessoas estão cometendo ao pensar que estamos falando em abolir a segurança," disse Ellison. "Não. Estamos falando em abolir uma estrutura fracassada de uma polícia que não nos mantém seguros”.

Ellison foi parte de uma maioria à prova de veto do conselho que, no domingo (07), pediu a dissolução do Departamento de Polícia após a morte de George Floyd, um homem negro desarmado, morto após um policial se ajoelhar sobre seu pescoço por quase nove minutos.

Leia também:

Após morte de Floyd, Minneapolis vota para acabar com ações de ‘estrangulamento’

Minneapolis: polícia divulga telefonema que levou guardas até George Floyd

Outros 3 policiais envolvidos na morte de Floyd são formalmente acusados

A conselheira Alondra Cano disse que espera uma emenda à proposta de orçamento do prefeito Jacob Frey, nas próximas semanas, e afirmou que vai buscar redirecionar verbas para “estratégias de segurança comunitárias” para o "novo sistema de segurança que todos querem criar”.

Ellison disse que quer angariar apoio para programas locais bem-sucedidos, como um que conecta pessoas com problemas psiquiátricos a terapeutas e outro que retira crianças de gangues.