UE avalia barrar viajantes de países onde pandemia não estiver controlada

União Europeia deve reabrir gradualmente suas fronteiras para viajantes vindos de países fora do bloco a partir de julho

Reuters
11 de junho de 2020 às 17:22

Comissária da União Europeia, Ylva Johansson, participa de coletiva em Bruxelas, na Bélgica (13.mai.2020)

Foto: Olivier Hoslet/Reuters

A União Europeia deve reabrir gradualmente suas fronteiras para viajantes vindos de países fora do bloco a partir de julho. O grupo também elabora uma lista de países fora do bloco para os quais as restrições podem ser removidas, informou a Comissão Europeia, nesta quinta-feira (11).

A lista de países deve se basear em três critérios: os países devem ter a pandemia da Covid-19 sob o controle na mesma média do bloco, ter medidas de contenção durante as viagens e também estarem dispostos a permitir a entrada de visitantes europeus. 

A Comissária para Assuntos Internos da UE, Ylva Johansson, disse que as decisões nas fronteiras são tomadas por cada país, mas ela espera que a Comissão ajude a garantir uma abordagem coordenada, algo que ela acredita que os próprios estados-membros também desejam.

A Comissão propôs permitir a entrada, desde o início, para viajantes dos países dos Balcãs Ocidentais da Albânia, Bósnia e Herzegovina, Kosovo, Montenegro, Macedônia do Norte e Sérvia. Johansson se recusou a nomear qualquer outro país. "Isso precisa ser feito passo a passo. Então, acho que essa lista aumentará" disse ela em entrevista coletiva.

De acordo com a proposta da comissão, os viajantes poderiam entrar com base no local de residência, não na nacionalidade, e não precisariam ficar de quarentena após a chegada.

Também recomendou que os países do espaço Schengen, que normalmente não têm controle nas fronteiras, adotem medidas para controlar a propagação do novo coronavírus até 15 de junho.

No entanto, alguns países como Portugal e Espanha indicaram que não adotarão as medidas até segunda-feira (15). O executivo da UE também propôs que a proibição de visitantes não essenciais de fora da área seja estendida até 30 de junho.

Leia também:

Governo prorroga uso da Força Nacional nas fronteiras por seis meses

Diante de pandemia, Airbnb aposta em experiências virtuais de viagem

Busca por passagem aérea no Brasil atinge mínima histórica no Google

O espaço Schengen compreende 22 países da UE mais a Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça. Membros da UE como Bulgária, Croácia, Chipre e Romênia, que ainda não fazem parte de Schengen, também aplicaram a proibição de entrada de fora da zona.

A proibição de viagem não se aplica à Irlanda, que não faz parte do espaço Schengen, e à ex-membro da UE, Grã-Bretanha.