EUA não sabem o que fazer com 63 milhões de doses de hidroxicloroquina


Elizabeth Cohen e Wes Bruer, da CNN
17 de junho de 2020 às 18:20
Pílulas de hidroxicloroquina

Antes da FDA revogar a autorização do uso do medicamento, 31 milhões de doses já haviam sido distribuídas

Foto: George Frey - 27.mai.2020 / Reuters

O governo dos Estados Unidos está sem saber o que fazer com 63 milhões de doses de hidroxicloroquina após a Agência de Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) revogar a permissão para a distribuição do medicamento no tratamento de pacientes com coronavírus.

Os americanos começaram a estocar a hidroxicloroquina doada por empresas farmacêuticas no final de março, depois que o presidente Trump considerou a substância "muito encorajadora", "muito poderosa" e "revolucionária" no tratamento da Covid-19.

Assista e leia também:

Dexametasona deve ser usada apenas em casos graves de Covid-19, diz OMS
Pesquisadores criam máscara que mata Covid-19 com calor de carregador de celular
OMS volta a suspender testes com hidroxicloroquina em pacientes com Covid-19

Porém, na última segunda-feira (15), a FDA revogou a autorização de uso emergencial da droga no tratamento do coronavírus, e afirmou que "não havia razão para acreditar" que o medicamento fosse eficaz contra o vírus, além de que ele "aumentava o risco de efeitos colaterais, incluindo problemas cardíacos."

Antes de a agência revogar sua autorização, 31 milhões de doses já haviam sido distribuídas. Isso deixou o Estoque Nacional Estratégico com 63 milhões de doses de hidroxicloroquina, além de outros 2 milhões de doses de cloroquina, um medicamento relacionado, de acordo com Carol Danko, porta-voz do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

"O HHS está trabalhando com as empresas que doaram o produto para determinar as opções disponíveis para o produto que permanece no Estoque Nacional Estratégico", escreveu Danko em comunicado à CNN.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês).