Ex-conselheiro diz que Trump pediu ajuda a Xi Jinping para vencer eleição

"Trump misturou o pessoal e o nacional, não apenas em questões comerciais, mas em todo o campo da segurança nacional", diz John Bolton em livro

Da CNN
17 de junho de 2020 às 20:00
Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do presidente da China, Xi Jinping
Foto: Kevin Lamarque/Reuters

John Bolton, ex-conselheiro de segurança nacional do governo de Donald Trump, afirma em seu novo livro que o presidente dos Estados Unidos pediu pessoalmente ao presidente chinês, Xi Jinping, para ajudá-lo a vencer a eleição presidencial em 2020, de acordo com um trecho publicado pelo jornal Wall Street Journal nesta quarta-feira (17).

O livro, intitulado "In the Room Where It Happened" ("Na Sala Onde Aconteceu", em tradução livre), tem lançamento programado para a próxima semana.
 
No trecho divulgado, Bolton descreve uma reunião entre os dois líderes na Cúpula do G20 em Osaka, em junho do ano passado, onde o presidente dos EUA "surpreendentemente" virou a conversa para as eleições americanas de 2020.

O ex-assessor de segurança nacional disse que Trump "enfatizou a importância dos agricultores e aumentou as compras chinesas de soja e trigo". Bolton diz que Trump "propôs que, pelos US$ 350 bilhões restantes em desequilíbrios comerciais (pela aritmética de Trump), os EUA não imporiam tarifas, mas ele voltou a importunar Xi para a China comprar o máximo de produtos agrícolas americanos que fosse possível".

Leia também:

Governo Trump vai à Justiça contra publicação de livro escrito por ex-assessor

Livro promete mostrar 'processo inconsciente de tomada de decisões' de Trump

Há cerca de seis meses, Trump foi acusado de ter procurado ajuda da Ucrânia para sua reeleição. As alegações de Bolton ocorrem no momento em que a campanha de Trump tenta fazer da China uma questão central das eleições de 2020.

A acusação é apenas uma das várias presentes no livro, que está sujeito a uma batalha legal de meses entre a Casa Branca e o ex-consultor de segurança nacional. A luta se intensificou na última terça-feira (16), depois que o governo Trump foi à Justiça para tentar recuperar os ganhos de Bolton com o livro e potencialmente interromper sua publicação. A Casa Branca alega que o ex-assessor violou acordos de confidencialidade e coloca em risco a segurança nacional.

Mas a ação federal não conseguiu impedir que o livro se tornasse público. Veículos como o The New York Times revelaram hoje (17) que obtiveram cópias antecipadas. 

"As conversas de Trump com Xi refletiram não apenas a incoerência em sua política comercial, mas também a confluência na mente de Trump de seus próprios interesses políticos", escreveu Bolton no trecho. "Trump misturou o pessoal e o nacional, não apenas em questões comerciais, mas em todo o campo da segurança nacional. Estou pressionado a identificar qualquer decisão significativa de Trump durante o meu mandato na Casa Branca que não foi conduzida pelos cálculos de reeleição".

(Com informações da CNN em Washington)