Trump diz que só se encontraria com Maduro para discutir saída do líder chavista

No Twitter, presidente recua de comentários em que havia indicado que consideraria fazer uma reunião com o presidente da Venezuela

Reuters
22 de junho de 2020 às 12:36
O presidente dos EUA, Donald Trump, em Washington
Foto: Leah Millis/Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recuou nesta segunda-feira (22) do comentário de que consideraria se encontrar com o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmando que só o faria para discutir a saída do líder chavista de seu cargo.

Em uma entrevista publicada no domingo (21) pelo site Axios, Trump disse que consideraria encontrar Maduro e minimizou sua decisão anterior de reconhecer o líder da oposição Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela.

O republicano mudou de opinião, no entanto, em um post publicado em sua conta no Twitter nesta segunda. "Minha administração sempre esteve do lado da LIBERDADE e contra o regime opressivo de Maduro! Eu só me encontraria com Maduro para discutir uma coisa: uma saída pacífica do poder!", escreveu Trump.

Assista e leia também:

CNN Mundo: a tentativa fracassada de golpe e o olhar de refugiado venezuelano

Maduro diz que dois membros da segurança de Trump estavam em suposta incursão

Trump disse Axios na sexta-feira (19) que estava aberto a uma reunião com o presidente venezuelano, uma medida que derrubaria sua campanha de "pressão máxima" destinada a derrubar Maduro.

"Talvez eu pense sobre isso... Maduro gostaria de me encontrar. E nunca sou contra as reuniões", disse Trump. "Mas, neste momento, eu as rejeitei."

O presidente americano expressou uma abertura em 2018 ao encontro com Maduro, que também havia feito gestos no sentido de uma negociação, mas nada se materializou e os EUA aumentaram a pressão contra o país caribenho.

Os comentários ao Axios foram possivelmente o sinal mais claro do que algumas autoridades americanas disseram ser uma crescente frustração pelo fracasso de governo Trump em derrubar Maduro por meio de sanções e diplomacia.