Consulado dos EUA em Chengdu fecha oficialmente após determinação chinesa

O governo chinês concedeu aos americanos o mesmo prazo de 72 horas para encerrar sua missão em Chengdu, como Pequim havia recebido em Houston

David Culver e Ben Westcott, da CNN
27 de julho de 2020 às 01:11
Consulado dos EUA em Chengdu, fechado oficialmente em 27 de julho de 2020 após determinação do governo chines
Foto: US Embassy and Consulates/ Reprodução

O consulado dos Estados Unidos na cidade chinesa de Chengdu foi oficialmente fechado nesta segunda-feira (27), em meio ao agravamento das relações entre Pequim e Washington.

A bandeira americana sobre o prédio foi rebaixada ao amanhecer, de acordo com a emissora estatal chinesa CCTV, e os espectadores foram recuados quando uma forte presença policial cercou o consulado, que Pequim ordenou que fosse fechado na sexta-feira.

Leia também:
China procura dosar resposta à ofensiva americana

Cientista chinesa é detida após se refugiar em consulado em São Francisco

Promotores dizem que 'falso consultor' atuou como espião da China em Washington

Na semana passada, o governo dos EUA ordenaram abruptamente o fechamento do consulado da China em Houston, Texas, alegando que a missão estava envolvida em um esforço maior de espionagem chinesa usando instalações diplomáticas.

O Ministério das Relações Exteriores da China anunciou em comunicado na segunda-feira que o consulado de Chengdu fechou às 10h, no horário local.

No fim de semana, centenas de pessoas se reuniram fora do consulado dos EUA na cidade de 16,5 milhões de pessoas no sudoeste, tirando selfies e agitando bandeiras chinesas. No sábado, as insígnias dos EUA foram retiradas, enquanto no domingo começavam os trabalhos de remoção em uma placa do lado de fora da embaixada e os contêineres eram carregados em caminhões, enquanto a equipe preparava o fechamento do consulado.

O governo chinês concedeu aos americanos o mesmo prazo de 72 horas para encerrar sua missão em Chengdu, como Pequim havia recebido em Houston, onde na terça-feira passada, Washington disse à China para "cessar todas as operações e eventos".

O Ministério das Relações Exteriores da China chamou a decisão de "uma escalada sem precedentes" das tensões em andamento entre os dois países.

"A situação atual entre a China e os Estados Unidos é algo que a China não quer, e a responsabilidade cabe inteiramente aos Estados Unidos", afirmou o Ministério das Relações Exteriores no comunicado.

Como o prazo para encerrar a missão diplomática chinesa expirou na sexta-feira, agentes federais dos EUA entraram no complexo do consulado chinês em Houston em SUVs pretos e vans brancas.

As relações entre os EUA e a China deterioraram-se rapidamente nas últimas duas semanas, em meio ao fechamento recíproco do consulado e à alegação de culpa de um cidadão de Cingapura que admitiu ter espionado Pequim.

Falando na Biblioteca Nixon, na Califórnia, na quinta-feira, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, criticou o que ele disse serem décadas de políticas fracassadas em relação à China.

"Como o presidente Trump deixou bem claro, precisamos de uma estratégia que proteja a economia americana e, de fato, nosso modo de vida. O mundo livre deve triunfar sobre essa nova tirania", afirmou Pompeo.

"A verdade é que nossas políticas - e de outras nações livres - ressuscitaram a economia fracassada da China, apenas para ver Pequim morder as mãos internacionais que a alimentavam. Abrimos nossos braços para os cidadãos chineses, apenas para ver o Partido Comunista Chinês explorar nossa sociedade livre e aberta ".