Presidente do Líbano diz que vai pedir estado de emergência em Beirute

Michel Aoun também disse que é 'inaceitável' armazenar toneladas de material inflamável sem medidas de segurança

da CNN
04 de agosto de 2020 às 18:47 | Atualizado 04 de agosto de 2020 às 18:48
Destruição causada por explosão em Beirute, no Líbano
Destruição causada por explosão em Beirute, no Líbano
Foto: Mohamed Azakir/Reuters (4.ago.2020)

O presidente libanês, Michel Aoun, pediu que seja declarado estado de emergência, por duas semanas, na capital Beirute após a explosão que deixou ao menos 70 mortos na manhã desta terça-feira (4). 

No perfil da presidência no Twitter, Aoun também disse que é "inaceitável" que 2.750 toneladas de nitrato de amônio tenham sido armazenados por seis anos sem medidas de segurança. Segundo ele, os responsáveis enfrentarão "as mais duras punições".

Até o momento, a principal hipótese é que tenha ocorrido um acidente em um depósito que estocava material inflamável na região portuária da cidade.

Leia também:

Líbano enfrenta cenário político e econômico complexo nos últimos anos

'Não temos mais nada': moradores de Beirute descrevem cenas apocalípticas

Mais cedo, o premiê do país, Hassan Diab, também se manifestou de maneira semelhante. 

"Eu prometo a vocês que essa catástrofe não passará sem responsabilização. Os responsáveis pagarão o preço", disse ele.

"Fatos sobre esse armazém perigoso, que está lá desde 2014, serão anunciados e eu não irei me antecipar à investigação". 

(Com informações da Reuters)