Explosão em Beirute: nitrato de amônio foi comprado para mineração, diz empresa


Sebastián Jiménez Valencia, da CNN
08 de agosto de 2020 às 01:10 | Atualizado 08 de agosto de 2020 às 01:13
Destruição causada por explosão em área portuária de Beirute

Destruição causada por explosão em área portuária de Beirute

Foto: Hannah McKay - 07.ago.2020 / Reuters

Os compradores originais do nitrato de amônio que ficou por anos armazenado no porto de Beirute disseram à CNN que o produto foi adquirido para ser usado na mineração.

A Fábrica de Explosivos Moçambique (FEM), uma empresa de fabricação de explosivos do país africano, afirmou que foi ela que solicitou a compra do nitrato de amônio. O pedido estava destinado à fabricação de explosivos para companhias mineradoras de Moçambique. “Podemos confirmar que sim, pedimos”, disse à CNN um porta-voz da FEM.

O nitrato de amônio nunca chegou a Moçambique, segundo a fonte, e acabou sendo armazenado em um depósito no porto da capital libanesa durante mais de seis anos, antes de explodir nesta semana. Mais de 150 pessoas morreram e cerca de 5 mil ficaram feridas.

Assista e leia também:
Porto não está completamente destruído, diz almirante brasileiro no Líbano
Líbano: vídeos falsos circulam nas redes apontando míssil como causa da explosão
Casal filma instante da explosão em Beirute e é atingido

A FEM disse que esta foi a única compra da substância química que nunca chegou ao seu destino. “Isso não é comum. Nada comum”, afirmou o porta-voz. “Normalmente, quando você faz um pedido do que quer que seja, é raro não receber a mercadoria. Isso é um navio, não é como algo que se perdeu no correio, é uma grande quantidade.”

O porta-voz trabalha na empresa desde 2008 e disse que nunca haviam perdido envios semelhantes de nitrato de amônio desde então. A CNN não publicou o nome do funcionário devido às preocupações com a privacidade dele em meio a uma história internacional delicada.

Processo de compra

O envio de nitrato de amônio de setembro de 2013 começou na Geórgia, onde o composto químico foi produzido. Ele foi transportado no navio russo Rhosus, que atracou em Beirute. 

A FEM trabalhou com uma empresa comercial externa para facilitar a transferência do composto químico da Geórgia para Moçambique. Mas vários meses depois que o produto saiu da Geórgia, o porta-voz disse que essa companhia externa contou à FEM que ele não chegaria ao destino. 

“Essa empresa comercial acaba de nos informar: há um problema com o navio, seu pedido não será entregue”, afirmou o porta-voz. “Portanto, nunca pagamos por isso, já que nunca recebemos.”

A FEM decidiu, então, fazer outro pedido de nitrato de amônio para substituir o que se perdeu, e este foi entregue. Segundo o porta-voz, o plano era pagar “uma quantia significativa” pelo composto no primeiro pedido, mas o pagamento nunca foi feito.

Assista e leia também:
Explosão em Beirute: presidente fala em ‘possibilidade de interferência externa’
Explosão em Beirute: o que se sabe até agora

Embora a empresa soubesse que o navio tinha sido detido em Beirute e depois apreendido por funcionários libaneses, o porta-voz insistiu que “isso estava absolutamente fora do nosso controle”.

Composto perigoso

O funcionário disse também que os colegas de empresa ficaram “surpresos” ao saber quanto tempo o nitrato de amônio ficou no porto, já que “esse não é um material que se queira ter armazenado sem uso”. “Este é um material muito sério e é preciso transportá-lo seguindo padrões muito rígidos”.

A fonte explicou que o composto é perigoso, um oxidante muito poderoso usado para produzir explosivos. Mas não é como a pólvora, que se acende um fósforo e imediatamente explode. “É muito mais estável.”

A quantidade armazenada – 2.750 toneladas, segundo os advogados que representam a tripulação do navio – também era pequena em comparação a outros envios comerciais de nitrato de amônio. “Essa quantidade é muito menor do que usamos em um mês de consumo”, disse. 

O porta-voz ainda revelou que a companhia moçambicana soube de seu envolvimento com a tragédia em Beirute através de notícias divulgadas na quarta-feira (5), que falavam que o destino da carga era Moçambique. “Então, quando aconteceu, imaginamos que provavelmente era para nós”, disse a fonte.

“É absolutamente devastador ver tudo isso [os eventos em Beirute]. E é com grande pesar que vemos”, afirmou. “E, infelizmente, vemos nosso nome envolvido, apesar de não termos absolutamente nenhuma participação nisso.”

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em espanhol.)