Em 2º dia de protestos em Beirute, manifestantes seguem rumo ao parlamento


Sinara Peixoto, da CNN, em São Paulo
09 de agosto de 2020 às 12:58 | Atualizado 09 de agosto de 2020 às 15:13

Libaneses voltaram às ruas de Beirute neste domingo (9), em protestos contra o governo. A maioria dos manifestantes de reúne perto do parlamento na capital do país e tenta passar por um bloqueio policial rumo ao prédio público. Os protestos seguem durante a noite.

Os manifestantes usam pedras contra os policiais e invadiram os escritórios dos ministérios. Muitos pedem a renúncia do governo. 

Um policial foi morto e, segundo a Cruz Vermelha, ao menos 170 ficaram feridos. 

Leia também

Após explosão e protestos, ministra da Informação do Líbano renuncia

Um dia após protestos, Beirute registra foco de incêndio

No sábado (8), pelo menos 7 mil pessoas protestaram na capital do Líbano. Manifestantes invadiram o Ministério de Relações Exteriores e pelo menos 100 pessoas ficaram feridas

A explosão na região portuária de Beirute, que deixou mais de 150 mortos e mais de 6 mil feridos na última terça-feira (4), na região portuária da capital libanesa, impulsionou as reações registradas neste fim de semana.

O país também enfrenta uma severa crise econômica – com alto índice de desemprego – e um colapso sanitário em meio à pandemia do novo coronavírus.

Líbano registra novo dia de protestos após grande explosão em região portuária

Líbano registra novo dia de protestos após grande explosão em região portuária (9.ago.2020)

Foto: CNN

Ministra renuncia

A ministra da Informação do Líbano, Manal Abdel Samad, renunciou ao cargo neste domingo, citando o fracasso do governo em conduzir reformas e a grande explosão ocorrida nesta semana.

A explosão vem sendo relacionada a uma grande quantidade de nitrato de amônio, um material explosivo, confiscado e potencialmente inseguro, armazenado em um depósito no porto da capital libanesa. 

Líbano registra novo dia de manifestações

Líbano registra novo dia de manifestações (9.ago.2020)

Foto: CNN

Busca por respostas

Os manifestantes que tentam invadir o parlamento do país desde o sábado (8) cobram das autoridades a responsabilidade pelas explosões, uma vez que o depósito com nitrato de amônia não havia sido devidamente fiscalizado para evitar a tragédia. 

Além dos mais de 150 mortos e cerca de 6 mil feridos, duas dezenas de pessoas ainda estão desaparecidas e outras 250 mil ficaram desabrigadas, em um país que já sofria com a crise econômica e a pandemia do novo coronavírus.

Um líder da oposição defendeu que todos os parlamentares renunciem, para que a população possa decidir como e quem deve ajudar a conduzir o país em seu processo de recuperação. O presidente Michel Aoun é acusado de negliência por libaneses revoltados com as explosões.

Reconstrução

A reconstrução de Beirute deve custar bilhões de dólares, segundo estimativas. Economistas apontam que o PIB pode encolher até 25% em 2020, o dobro da projeção feita pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em abril.

Neste domingo (9), o presidente da França, Emmanuel Macron, recebe o líder americano, Donald Trump, e outros chefes de Estado, em uma conferência virtual para levantar fundos para a reconstrução da cidade.

Na quinta-feira, em visita histórica à capital libanesa, Macron já havia acenado para a iniciativa. Na ocasião, ele fez menção à corrupção no sistema político do país árabe. 

"Essa ajuda, eu garanto, não vai acabar em mãos corruptas. Vou falar com todas as forças políticas para pedir um novo pacto", disse Macron.

"É um país que está se desintegrando a olhos nus, que não tem a coleta de lixo, não tem sistema bancário adequado nem infraestrutura que atenda às necessidades, além de produção de alimentos insatisfatória", disse à CNN na última quarta (5) Arlene Clemesha, professora de História Árabe da Universidade de São Paulo (USP).

"O país vem sofrendo uma enorme crise que é econômica, em primeiro lugar, política e social", acrescentou a historiadora.

No Brasil, o ex-presidente Michel Temer aceitou o convite de Jair Bolsonaro e será o enviado especial brasileiro ao Líbano. Segundo pessoas envolvidas nas tratativas, os detalhes serão acertados nesta segunda-feira (10).

O plano é enviar um avião KC-390 com medicamentos, mantimentos e outras doações para ajudar o Líbano.

A iniciativa é parecida com o que já ocorre nos Estados Unidos, onde ex-presidentes costumam liderar missões humanitárias.

Com a presença de Temer, que tem ascendência libanesa, a diplomacia brasileira quer dar maior relevância à missão.

(Com Reuters)

Protesto no Líbano continua durante a noite

Protesto no Líbano continua durante a noite (9.ago.2020)

Foto: CNN Brasil