Covid-19 cresce na Nova Zelândia; Austrália tenta conter casos em Victoria

Com volta de restrições, Nova Zelândia reportou 7 novos casos neste sábado. Na Austrália, região de Melbourne soma 303 novos casos e 4 mortes em 24 horas

Lidia Kelly, da Reuters
15 de agosto de 2020 às 01:24 | Atualizado 15 de agosto de 2020 às 07:13
Equipe de saúde se prepara para entrar em prédios isolados após surto de Covid-19 em Melbourne, na Austrália
Foto: Sandra Sanders / Reuters

A Nova Zelândia relatou neste sábado (15) sete novos casos do novo coronavírus, enquanto as medidas de restrição no país — mais rígidas em Auckland — foram estendidas.

Seis dos sete novos casos foram vinculados ao grupo responsável por todos os registros anteriores da comunidade, enquanto uma infecção estava sendo investigada, disse a diretora-geral da Saúde Ashley Bloomfield em uma entrevista coletiva em Wellington.

Leia também:
Nova Zelândia estende restrições por mais 12 dias após novos casos de Covid-19

Os novos casos trazem o total de infecções da Nova Zelândia desde o início do ano para 1.258, enquanto o número de casos ativos atualmente é de 56. Os dados contabilizam 22 pessoas mortas por Covid-19 até agora.

O bloqueio mais rígido em Auckland, onde vivem 1,7 milhão de pessoas, foi estendido por quase duas semanas e seguiu-se à descoberta na terça-feira das primeiras infecções por Covid-19 do país em 102 dias, identificados uma família em Auckland.

A Nova Zelândia e sua vizinha Austrália sofreram muito menos mortes e doenças causadas pela pandemia do que muitas outras nações, graças em parte às rápidas medidas de bloqueio. As decisões aumentaram significativamente a confiança do público nos líderes de ambos os países.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, está agora, no entanto, sob pressão antes das próximas eleições gerais, com o principal Partido Nacional da oposição acusando o governo de não conseguir garantir instalações de quarentena e reter informações.

E o segundo estado mais populoso da Austrália, Victoria, continua lutando para conter o vírus depois que, no mês passado, se tornou o centro do maior surto de coronavírus do país. Sua capital, Melbourne, está sob um bloqueio rígido de seis semanas e o resto do estado tem movimento público limitado.

No sábado, Victoria registrou 303 novos casos e quatro mortes, após 372 novas infecções e 14 mortes na sexta-feira.

Embora os números de sábado estejam bem abaixo do pico de 725 novos casos vistos em 5 de agosto e tenha havido alguma estabilização no surto, as autoridades estaduais pediram vigilância.

"Os sinais são encorajadores, mas ainda não acabaram", disse o premier Victoria, Daniel Andrews, em uma entrevista pela televisão.

"Há um longo caminho a percorrer e a única coisa que ganha se ficarmos cansados, se de certa forma desistirmos, a única coisa que ganha é o coronavírus."