1º lote para uso civil da vacina Sputnik V passa em testes da vigilância russa


Diego Freire, da CNN, em São Paulo
08 de setembro de 2020 às 03:10 | Atualizado 08 de setembro de 2020 às 17:59

O governo russo anunciou, nesta segunda-feira (7), que o primeiro lote da vacina Sputnik V para circulação civil teve sua qualidade aprovada pelo Roszdravnadzor (o Serviço Federal de Vigilância em Saúde). Segundo o ministro de Saúde do país, Mikhail Murashko, "a produção civil nesta fase significa a vacinação de cidadãos dos grupos de risco, nomeadamente professores e médicos".

Ainda segundo Murashko, em declarações reproduzidas pela agência de notícias Tass, o fornecimento do imunizante contra a Covid-19 para as regiões russas é esperado "em um futuro próximo".

"O primeiro lote da vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus passou nos testes de qualidade exigidos nos laboratórios de Roszdravnadzor (o Serviço Federal de Vigilância em Saúde) e foi produzido para circulação civil. Num futuro próximo está previsto o fornecimento dos primeiros lotes da vacina para as regiões", disse o ministério.

Leia também:
Fase 3 da vacina russa poderá mostrar efeitos adversos, diz infectologista

A vacina da Rússia para a Covid-19 é confiável?

A vacinação dos grupos de risco será efetuada paralelamente aos ensaios clínicos pós-registo, ainda na fase 3.

Em 11 de agosto, a Rússia se tornou o primeiro país do mundo a registrar uma vacina contra a infecção pelo novo coronavírus, a Sputnik V. O imunizante passou por testes clínicos entre junho e julho e mostrou resultados promissores nas fases 1 e 2.

A Sputnik-V foi desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia do Ministério da Saúde da Rússia, Gamaleya. No dia 15 de agosto, o Ministério da Saúde da Rússia anunciou o lançamento da produção da vacina.