'Temos uma amizade muito especial': cartas entre Trump e Kim são reveladas


Jamie Gangel e Jeremy Herb, da CNN
10 de setembro de 2020 às 05:27 | Atualizado 10 de setembro de 2020 às 05:29
Encontro entre Donald Trump e Kim Jong Un

Encontro entre Donald Trump e Kim Jong Un

Foto: Reprodução/ Donald Trump/ Instagram

O novo livro do jornalista Bob Woodward, "Rage" ("Ira", em tradução livre), oferece uma janela fascinante para uma das relações diplomáticas mais curiosas do século 21, entre o presidente Donald Trump e o ditador norte-coreano Kim Jong Un. Woodward teve acesso a 25 cartas nunca antes vistas que Trump trocou com Kim, e a CNN obteve transcrições de duas delas.

Trump as descreveu como "cartas de amor", e Woodward escreve que elas mostram um "namoro diplomático" que fez Trump deixar de ser aquele que zombava de Kim como "little rocket man" ("pequeno homem do foguete") para se tornar o primeiro presidente dos EUA a se reunir com um líder norte-coreano.

Woodward considera que as cartas incomuns estão cheias de "declarações de fidelidade pessoal que podem ser proferidas pelos Cavaleiros da Távola Redonda, ou talvez pretendentes".

Em suas cartas a Trump, Kim o chama de "Sua Excelência" e adota um tom carinhoso.

Leia também:
Em livro, Trump admite ter minimizado ameaça do novo coronavírus

'Repugnante' e 'quase um crime', diz Biden sobre reação de Trump à pandemia

"Mesmo agora, não posso esquecer aquele momento da história em que segurei firmemente a mão de Vossa Excelência naquele belo e sagrado local enquanto o mundo inteiro assistia com grande interesse e esperança de reviver a honra daquele dia", escreveu Kim a Trump em 25 de dezembro, 2018, após a primeira reunião entre os dois em Cingapura.

Outro encontro "entre mim e Vossa Excelência", acrescentou Kim, seria "uma reminiscência de uma cena de um filme de fantasia".

Trump respondeu a Kim em 28 de dezembro: "Como você, não tenho dúvidas de que um grande resultado será alcançado entre nossos dois países, e que os únicos dois líderes que podem fazer isso somos você e eu."

Trump tuítou duas das 27 cartas trocadas com Kim, mas as outras 25 não foram vistas antes. Woodward pôde revisar todos os escritos, mas não recebeu cópias, então ele gravou as transcrições do conteúdo.

A decisão de Trump de se reunir com Kim três vezes - em Cingapura, Vietnã e uma Zona Desmilitarizada que divide a Coreia do Norte e a Coreia do Sul - certamente estará entre os legados de política externa mais notáveis ??de sua presidência.

As reuniões e cartas trocadas entre eles seguiram um período de tensões significativas em 2017, quando Pyongyang lançou uma série de testes de mísseis provocativos e Trump respondeu provocando Kim no Twitter.

 

Encontro entre Donald Trump e Kim Jong Un
Foto: Instagram/ Donald Trump/ Reprodução


'Um momento de glória'

Após a segunda reunião dos líderes, Kim escreveu em junho de 2019 que "cada minuto que compartilhamos 103 dias atrás em Hanói também foi um momento de glória que permanece uma memória preciosa."

"Eu também acredito que a amizade profunda e especial entre nós funcionará como uma força mágica", acrescentou Kim.

Em uma carta de junho de 2019 para Kim, pouco antes de Trump propor no Twitter que os líderes se encontrassem na zona desmilitarizada, Trump escreveu que "você e eu temos um estilo único e uma amizade especial".

"Só você e eu, trabalhando juntos, podemos resolver os problemas entre nossos dois países e acabar com quase 70 anos de hostilidade, trazendo uma era de prosperidade para a Península Coreana que excederá todas as nossas maiores expectativas - e você será aquele que liderará", Trump escreveu. "Vai ser histórico!"

 


'Estou muito, muito ofendido'

Após a reunião na zona desmilitarizada, Trump escreveu para Kim em 30 de junho: "estar com você hoje foi realmente incrível", anexando um exemplar da primeira página do The New York Times daquele dia. Dois dias depois, Trump escreveu novamente, enviando 22 fotos do encontro.

"Essas imagens são ótimas lembranças para mim e capturam a amizade única que você e eu desenvolvemos", escreveu Trump.

Kim respondeu um mês depois, mas desta vez com um novo tom, que Woodward descreve como o de "um amigo ou amante desapontado". Kim estava chateado porque os exercícios militares entre EUA e Coreia do Sul não haviam parado totalmente.

"Estou claramente ofendido e não quero esconder esse sentimento de você. Estou realmente, muito ofendido", escreveu Kim. "Excelência, estou imensamente orgulhoso e honrado por termos um relacionamento para o qual posso enviar e receber pensamentos tão sinceros com você."

 

Encontro entre Donald Trump e Kim Jong Un

Foto: Donald Trump/ Instagram/ Reprodução


'Ele estava totalmente preparado para ir [para a guerra]'

Trump e Kim se tornaram amigos por correspondência após um período de sérias tensões em 2017, quando a Coreia do Norte intensificou suas provocações com testes de mísseis e Trump respondeu com tuítes insultando-o como "pequeno homem do foguete" e ameaçando responder com "com fogo e fúria como o mundo nunca viu".

A situação alarmou a equipe de segurança nacional de Trump, que temia que os EUA pudessem estar próximos de uma guerra nuclear, relata Woodward. O então secretário de Defesa James Mattis acreditava que a provocação era "improdutiva, infantil e perigos".

"Superei a humilhação pública na segunda série", disse Mattis certa vez a Trump, de acordo com Woodward.

Em suas entrevistas com Woodward, Trump argumenta que sua decisão de se encontrar com Kim evitou a guerra.

"Ele estava totalmente preparado para ir [para a guerra]", disse Trump a Woodward em 13 de dezembro de 2019. "E ele esperava ir. Mas nos conhecemos."

Em uma entrevista subsequente em 30 de dezembro, Trump disse a Woodward: "se eu não fosse presidente, teríamos - talvez já tivesse acabado, talvez não -, mas estaríamos em uma grande guerra"

Trump argumentou que "não desistiu de nada" ao se reunir com Kim, embora a Coreia do Norte não tenha seguido as etapas de desnuclearização que os EUA buscavam. Os críticos de Trump dizem que as reuniões deram a Kim a legitimidade no cenário mundial que ele buscava desesperadamente, sem restringir o programa nuclear de Pyongyang.

 

'Vamos ao cinema juntos'

O livro de Woodward inclui cores notáveis ??das reuniões de Trump com Kim. Na segunda cúpula em fevereiro de 2019, Trump disse que sabia que Kim não estava pronto para fazer um acordo, e os dois líderes discutiram sobre quais instalações nucleares Pyongyang desmantelaria.

Conforme a negociação não avançou, Trump então tentou outra abordagem.

"Você costuma fazer qualquer coisa além de lançar foguetes para o ar?" Trump perguntou a Kim. "Vamos ao cinema juntos. Vamos jogar uma partida de golfe", propôs.

Depois que Woodward obteve as cartas de Kim, Trump o avisou em um telefonema em janeiro de 2020: "Você não pode zombar de Kim. Não quero entrar em uma p... de guerra nuclear porque você zombou dele."

Encontro entre Donald Trump e Kim Jong Un
Foto: Instagram Donald Trump/ Reprodução