Índia fecha acordo e receberá 100 milhões de doses da vacina russa Sputnik V


Fabricio Julião*, da CNN, em São Paulo
16 de setembro de 2020 às 08:00
Frascos da Sputnik V, vacina contra Covid-19 aprovada pela Rússia

Frascos da Sputnik V, vacina contra Covid-19 aprovada pela Rússia

Foto: Divulgação - 06.ago.2020/ Fundo Russo de Investimento Direto

O Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF) anunciou, nesta quarta-feira (16), um acordo com a farmacêutica indiana Dr. Reddy's para a distribuição de 100 milhões de doses da vacina Sputnik V e a realização de ensaios clínicos no país.

As entregas devem ocorrer no fim de 2020, a depender do registro e autorização da vacina contra o coronavírus pelas autoridades regulatórias na Índia e a conclusão de testes bem-sucedidos a serem realizados. O RDIF disse que, além do país asiático, estabeleceu parcerias estratégicas conjuntas com coinvestidores internacionais, líderes em mais de 18 nações, que totalizam mais de US$ 40 bilhões.

Leia também:
Índia considera ‘autorização de emergência’ para vacinas contra a Covid-19
Cientista-chefe da OMS diz que modo de vida pré-Covid pode não retornar até 2022

“Estamos muito satisfeitos com a parceria com a Dr.Reddy's na Índia. Dr. Reddy's tem uma presença muito bem estabelecida e respeitada na Rússia há mais de 25 anos e é uma das empresas farmacêuticas líderes na Índia", disse Kirill Dmitriev, CEO do Fundo de Investimento Direto Russo. "A Índia está entre os países mais severamente afetados pela Covid-19 e acreditamos que nossa plataforma de vetor duplo de adenovírus humano fornecerá uma opção segura e cientificamente validada para o país na batalha contra o vírus", completou.

A Índia superou nesta quarta-feira a marca de 5 milhões de casos confirmados de coronavírus (5.020.359), segundo o Ministério da Saúde local.

No início deste mês, resultados positivos em relação à segurança e eficácia da Sputnik V foram apresentados na revista científica The Lancet. Segundo o RDIF, a plataforma de vetores adenovirais humanos, que é o núcleo da vacina russa, foi testada em mais de 250 estudos clínicos ao longo de décadas e foi considerada segura, sem possíveis consequências negativas de longo prazo.

“Estamos satisfeitos com a parceria com a RDIF para levar a vacina para a Índia. Os resultados das Fases I e II se mostraram promissores, e estaremos conduzindo testes de Fase III na Índia para atender aos requisitos dos reguladores indianos. A vacina Sputnik V pode fornecer uma opção confiável em nossa luta contra o coronavírus”, afirmou G V Prasad, Co-Presidente e Diretor Administrativo dos Laboratórios do Dr. Reddy.

Em 11 de agosto, a Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia de Gamaleya, foi registrada pelo Ministério da Saúde da Rússia e se tornou a primeira vacina registrada do mundo contra a Covid-19. Os resultados das fases 1 e 2 dos ensaios clínicos foram concluídos e divulgados na The Lancet no dia 4 de setembro, enquanto a fase 3 ocorre no momento, após o registro da vacina, e conta com 55 mil voluntários.

No Brasil, os estados do Paraná e da Bahia fecharam acordo para receber a vacina russa.


*Sob supervisão de Julyanne Jucá