Veneno semelhante ao da aranha é achado em árvores australianas

Cientistas classificaram a planta Gympie-Gympie como 'verdadeiramente venenosa'

Harry Clarke-Ezzidio da CNN
18 de setembro de 2020 às 14:05
As toxinas recém-descobertas nas árvores Gympie-Gympie foram comparadas às das aranhas
Foto: Australian Geographic

Para muita gente, a Austrália é sinônimo de aranhas venenosas e cobras. Mas tem mais: cientistas descobriram novas toxinas em uma planta que rotularam de “verdadeiramente venenosa”.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Queensland descobriu em uma árvore uma neurotoxina não identificada anteriormente, semelhante ao veneno encontrado em aranhas e caramujos do gênero Conus.

Ao contrário do que acontece com suas contrapartes americanas e europeias, a árvore dendrocnídea (palavra que significa “árvore que pica”) pode causar dor que dura dias – ou até semanas – após o contato com humanos.

Os pesquisadores esperam que o estudo, publicado na quarta-feira (16) na revista Science Advances, ajude a fornecer novas informações sobre como funcionam os nervos sensores da dor e o desenvolvimento de analgésicos.

“As espécies australianas de árvores com ferrão são particularmente notórias por produzirem uma picada terrivelmente dolorosa”, disse Irina Vetter, professora associada do Instituto de Biociência Molecular da Universidade de Queensland.

A planta dendrocnídea – chamada também por seu nome indígena de árvore Gympie-Gympie e também por ferrão do mato, picada de mato e planta do suicídio – é uma urtiga da floresta tropical que pode ser encontrada na parte oriental da Austrália.

Como acontece com outras urtigas, as árvores são cobertas por pelos finos como agulhas e conhecidos por causar dor extrema e duradoura.

Leia também:
Cobras voadoras? Veja como elas conseguem deslizar pelo ar
Gatos domésticos livres causam danos à vida selvagem, aponta estudo
Crocodilo de 4,4 metros é capturado em área turística da Austrália

Os apêndices delgados “parecem cabelos finos, mas na verdade agem como agulhas hipodérmicas que injetam toxinas quando entram em contato com a pele”, explicou Vetter.

Até recentemente, os cientistas não conseguiam descobrir quais moléculas dentro da planta causavam dor tão forte.

Plantas semelhantes normalmente contêm pequenas moléculas como histamina, acetilcolina e ácido fórmico, mas nenhuma causa a dor intensa provocada pelas árvores Gympie-Gympie, o que sugeriu aos pesquisadores que havia uma neurotoxina não identificada a ser encontrada. 

Foi então que a equipe descobriu um novo tipo de neurotoxina, batizada de “gimpietida”, a partir do nome da planta.

“As gimpietidas são semelhantes às toxinas das aranhas e dos caramujos venenosos na forma como se dobram em suas estruturas moleculares 3D e têm como alvo os mesmos receptores de dor. Isso sem dúvida torna a árvore Gympie-Gympie uma planta verdadeiramente venenosa”.

A cientista disse que a dor de longo prazo causada pelo contato com as árvores pode ser explicada pelas gimpietidas mudando permanentemente os canais de sódio nos neurônios sensoriais de uma pessoa, e não pelo fato de os pelos finos das plantas ficarem presos na pele.

“Ao entender como essa toxina funciona, esperamos fornecer um tratamento melhor para aqueles que foram picados pela planta, para aliviar ou eliminar a dor”, acrescentou a pesquisadora.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).