Lula diz que visita de Pompeo a Roraima é provocação à Venezuela

‘Os EUA precisam desistir dessa mania de querer ser o xerife do mundo’, afirmou o ex-presidente

Da CNN
19 de setembro de 2020 às 01:35 | Atualizado 19 de setembro de 2020 às 02:55
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Foto: Reprodução - 18.set.2020 / Reuters

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a visita do secretário de estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, à Roraima nessa sexta-feira (18), e disse que o diplomata só visitou o Brasil para “provocar a Venezuela”.

“Gostemos dele ou não, a Venezuela tem um presidente eleito”, afirmou Lula, em uma entrevista à agência de notícias Reuters. “Os EUA precisam desistir dessa mania de querer ser o xerife do mundo.”

Pompeo se encontrou com imigrantes venezuelanos em um centro de acolhimento de refugiados na Região Norte do Brasil, na terceira parada de uma viagem para aumentar a pressão pela destituição do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Assista e leia também:
Maia critica visita de Pompeo próximo à fronteira com Venezuela
CNN Mundo: a crise na Venezuela e o impasse dos diplomatas
Covid-19 aprofunda crise humanitária na Venezuela

O diplomata norte-americano também visitou, ao lado do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, um refeitório que atende aos imigrantes.

Pompeo elogiou os esforços humanitários do Brasil em receber os cerca de 250 mil venezuelanos que cruzaram a fronteira, dentre os mais de 5 milhões que deixaram a Venezuela em razão da crise política e econômica.

Pompeo critica Maduro

O secretário de estado culpou Maduro por uma "crise criada pelo homem" de proporções sem precedentes na Venezuela, e chamou o presidente venezuelano de "traficante de drogas", em comentários a repórteres em uma base militar em Boa Vista.

“Eles [venezuelanos] querem o que todos os seres humanos querem: dignidade. Eles querem uma Venezuela democrática, pacífica e soberana para chamar de lar, onde eles e seus filhos possam encontrar trabalho e viver com essa dignidade. Nós, EUA e Brasil, os apoiamos", disse Pompeo.

A fronteira brasileira com a Venezuela está fechada desde o dia 18 de março, devido à pandemia do novo coronavírus. Com isso, o fluxo de imigrantes que chegam ao Brasil caiu de uma média de 600 por dia para poucos venezuelanos que fazem trilhas para entrar no país.

Antes do Brasil, Pompeo visitou a Guiana e o Suriname, e seguiu rumo à Colômbia ainda nessa sexta.

(Com Reuters)