Organizadores das Olimpíadas anunciam proposta para simplificar Jogos de Tóquio

Presidente de comissão do Comitê Olímpico afirma que evento será 'sob medida' para um mundo pós-corona

Aleks Klosok, Yoko Wakatsuki e George Ramsay da CNN
25 de setembro de 2020 às 15:20
Olimpíada de Tóquio seria realizada de 24 de julho a 9 de agosto
Foto: Denis Balibouse - 24.mar.2020/ Reuters

Os organizadores das Olimpíadas de Tóquio anunciaram nesta sexta-feira (25) as propostas para reduzir os custos do evento, incluindo a possibilidade de diminuir o número de oficiais trabalhando no evento de 10% a 15%.

Os jogos, que deveriam ter ocorrido em julho, estão agendados para acontecerem entre 23 de julho e 8 de agosto de 2021. O evento foi adiado por conta da pandemia ad Covid-19.

Mais de 50 medidas para simplificar os Jogos foram propostas pela comissão de coordenação do Comitê Olimpíco, as quais o CEO da Tóquio 2020, Toshiro Muto, disse que darão um exemplo de como as Olimpíadas podem ser simplificadas no futuro, em um mundo pós-Covid.

Outras medidas propostas incluem convites reduzidos para as cerimônias de abertura e encerramento, o cancelamento das cerimônias de boas-vindas aos esportistas na Vila Olímpica, a diminuição dos horários de funcionamento dos locais de treino e a diminuição da quantidada de pessoas que tem acesso aos ônibus de circulação interna.

Apesar de o período de revezamento da tocha olímpica não ter sido reduzido -- a tradição dura 121 dias --, a equipe e o uso de veículos oficiais será revisto.

Leia também:
Olimpíada de Tóquio exigirá testes de Covid-19 para atletas, mas não quarentena
País está longe de poder flexibilizar, diz médico sobre volta aos estádios

"Essas otimizações e simplificações marcam um passo importante para produzir um evento seguro e de sucesso em 2021", disse John Coates, presidente da comissão de coordenação da Tóquio 2020.

"Nós devemos ao público decretar essas medidas durante tempos desafiadores, e é por isso que não deixamos nada sem revisão e continuaremos procurando mais desafios nos próximos meses".

"A tarefa única de reorganizar os Jogos Olímpicos fez com que o movimento olímpico ficasse mais forte e unido -- esse marco ilustra nosso compromisso coletivo. O 'modelo Tóquio' não somente entregará um evento sob medida para um mundo pós-corona, mas também servirá uma inspiração para os comitês que virão".

Coates também acrescentou que as medidas de cortes de custos levaram em conta os acionistas e a infraestrutura das Olimpíadas, entre outros fatores.

(Texto traduzido do inglês, clique aqui para ler o original)