Trump diz que vencedor das eleições dos EUA pode não ser conhecido por meses

Presidente se referiu a votos por correio que podem ser contados após a data da eleição

Andy Sullivan, da CNN
26 de setembro de 2020 às 01:08 | Atualizado 26 de setembro de 2020 às 06:52
O presidente dos EUA, Donald Trump
Foto: Tom Brenner/Reuters (18.set.2020)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse, nesta sexta-feira (25), que os americanos podem não saber o vencedor da eleição presidencial de novembro por meses devido a disputas sobre cédulas de correio, com base em suas críticas a um método que poderia ser usado por metade dos eleitores do país neste ano.

Especialistas eleitorais disseram que pode levar vários dias após a eleição de 3 de novembro até que um vencedor seja conhecido, já que os funcionários precisarão de tempo para contar os votos enviados.

Leia também:
As vezes em que Trump disse não aceitar o resultado das eleições caso perca

Onde assistir ao primeiro debate entre Joe Biden e Donald Trump

Falando em um comício em Newport News, Virgínia, Trump disse que prefere descobrir rapidamente se ele ganhou ou perdeu, em vez de esperar que as cédulas de correio cheguem.

"Gosto de assistir televisão e dizer 'O vencedor é', certo? Você pode passar meses sem ouvir isso, porque está uma bagunça", disse ele.

"É muito improvável que você tenha um vencedor naquela noite [da eleição]", disse ele. "Eu poderia estar liderando e eles continuarão recebendo cédulas, e cédulas, e cédulas e cédulas. Porque agora eles estão dizendo que as cédulas podem chegar tarde."

Decisões judiciais deste mês permitiram que autoridades nos estados de Michigan, Pensilvânia, Wisconsin e Carolina do Norte contem as cédulas que chegarem depois de 3 de novembro - dia da eleição -, desde que fossem enviadas até o dia da eleição.

As pesquisas de opinião mostram que mais democratas do que republicanos planejam votar pelo correio para evitar exposição à Covid-19 em locais de votação lotados. A campanha de Trump abriu processos em vários estados para restringir a votação por correspondência.

Trump nos últimos dias se recusou a se comprometer com uma transferência pacífica de poder se perder a eleição para o democrata Joe Biden e disse que espera que a Suprema Corte tenha que declarar o vencedor.