Tailândia volta a receber turistas enquanto protestos contra o governo seguem

Grupo de chineses foi primeiro a chegar ao país desde abril, quando voos comerciais foram proibidos. Apesar de repressão, protestos seguem contra governantes

De Chayut Setboonsarng, da Reuters
21 de outubro de 2020 às 03:21
Manifestantes tailandeses em ato pedindo por reformas na monarquia do país
Foto: Reprodução - 20.set.2020 / Reuters


A Tailândia recebeu um grupo de turistas da China nesta terça-feira (20), sua primeira chegada desde que voos comerciais foram proibidos em abril para combater a pandemia do novo coronavírus. Os visitantes aparentemente não se intimidaram com as crescentes manifestações de rua em Bangkok.

Um grupo de 39 de Xangai chegou ao país na noite de terça-feira, disse Kittipong Kittikachor, vice-diretor do Aeroporto Suvarnabhumi, em Bangkok.

Leia também:
Tailândia emite decreto de emergência para reprimir protestos contra o governo

Após ser preso, turista pedirá perdão a hotel tailandês que criticou na internet

 

A televisão pública tailandesa mostrou turistas mascarados saindo do aeroporto, com funcionários com equipamento de proteção completo borrifando desinfetante em suas bagagens. Do lado de fora, alguns turistas colocaram proteções faciais e luvas de borracha enquanto se preparavam para embarcar nos ônibus para seus hotéis.

As chegadas acontecem no momento em que manifestantes antigovernamentais continuam a desafiar a proibição de reuniões depois que as autoridades declararam grave situação de emergência em Bangkok.

A agitação não afetou o interesse no país, disse a Autoridade de Turismo do governador da Tailândia, Yuthasak Supasorn;

“Não houve cancelamentos ou consultas sobre isso até agora e as pessoas estão acompanhando as notícias”, disse ele.

Comícios liderados por estudantes, às vezes atraindo 10.000 pessoas, ocuparam cruzamentos movimentados por horas antes de se dispersarem pacificamente. Em um incidente na semana passada, canhões de água foram usados em manifestantes.

O país dependente do turismo pode receber apenas 6,7 milhões de visitantes estrangeiros neste ano, diz o governo, menos de um quinto do recorde de 39,8 milhões em 2019.

O governo proibiu voos comerciais em abril para manter o COVID-19 sob controle, e os novos casos foram, em sua maioria, de Thais voltando para casa. O país relatou um total de 3.700 infecções.

Os novos turistas que chegam têm vistos especiais de 90 dias e devem ficar em quarentena por duas semanas - sete dias em seus quartos de hotel e sete dias em seus hotéis - e o teste negativo três vezes antes de poderem se mover livremente.

“Assim que eles passarem, poderão se mudar para outros destinos (dentro da Tailândia)”, disse o ministro do Turismo, Phiphat Ratchakitprakarn, à televisão Thai PBS.

Um segundo grupo de 147 turistas de Guangzhou, China, deve chegar em 26 de outubro, com mais no próximo mês.

“O inverno está chegando, então mais turistas de países europeus, Estados Unidos, Coréia e Japão também gostariam de vir nos visitar nessa época”, disse Phiphat.