Furacão Zeta toca solo no México, perde força e se torna tempestade tropical

Neste momento, o Zeta está 140 km ao sudeste da cidade portuária de Progresso, no estado mexicano de Yucatán, com ventos máximos sustentados de 110 km/h

Da CNN
27 de outubro de 2020 às 07:11
Passagem do furacão Zeta pelo Golfo do México
Passagem do furacão Zeta pelo Golfo do México
Foto: CNN

O furacão Zeta tocou solo na Península de Yucatán, no México, na noite dessa segunda-feira (26), provocando chuvas intensas em uma região atingida há três semanas pelo furacão Delta.

Na manhã desta terça (27), o Zeta enfraqueceu e se tornou uma tempestade tropical. Ainda assim, a expectativa é que ele recupere as forças enquanto se move, ao longo do dia, pelo sul do Golfo do México, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, em inglês).

Neste momento, o Zeta está 140 km ao sudeste da cidade portuária de Progresso, no estado mexicano de Yucatán, com ventos máximos sustentados de 110 km/h.

Assista e leia também:
Ciclone, tufão, furacão, tempestade: a diferença entre esses fenômenos naturais
'Furacão Delta é diferente dos demais', avalia especialista
Tempestade Alex causa desabamento de ponte e explosão na França; veja o vídeo

Alertas de furacão foram emitidos para as regiões de Punta Allen a Progresso e Cozumel. O Zeta deve chegar aos EUA na tarde de quarta-feira (28).

Em New Orleans, no estado norte-americano de Louisiana, voluntários se mobilizam para retirar moradores de áreas como Irish Bayou, Venetian Isles e Lake Catherine, de acordo com informações locais.

A região metropolitana de New Orleans está se preparando para ventos com força de tempestade tropical, chuvas fortes e inundações costeiras como resultado da passagem do Zeta. Moradores estão sendo aconselhados a reunir suprimentos de emergência, como alimentos, água e medicamentos, para ao menos três dias.

Nessa segunda, o governador de Louisiana, John Bel Edwards, emitiu uma declaração de emergência diante da chegada do Zeta. "Precisamos arregaçar nossas mangas, como sempre fazemos, e nos preparar para um potencial impacto em Louisiana", afirmou ele.

(Com informações de Madeline Holcombe, da CNN, em Atlanta, e Reuters)