“Reforma da OMC já está acontecendo”, diz Diretor do Conselho da Organização

Em entrevista à CNN Brasil, o ex-diplomata e Diretor do Conselho da OMC, Victor do Prado, explicou que uma reforma na Organização leva tempo

Fernanda Pinotti*, da CNN, em São Paulo
17 de novembro de 2020 às 15:35


Nesta terça-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que entidades internacionais como Organização Mundial da Saúde (OMS) e Organização Mundial do Comércio (OMC) precisavam passar por reformas.  

Segundo o líder brasileiro, “A reforma da OMC é fundamental para a retomada do crescimento econômico global. É necessário prestigiar propostas de redução dos subsídios para bens agrícolas, com a mesma ênfase que alguns países buscam promover o comércio de bens industriais.” 

Em entrevista à CNN Brasil, o ex-diplomata e Diretor do Conselho da OMC, Victor do Prado, explicou que a OMC já está passando por um projeto de reforma, que tende a durar por um tempo. “A OMC é uma organização que tem 25 anos”, ele diz, “o comércio internacional era muito diferente do que é hoje em dia. Os produtos mudaram, as correntes de comércio mudaram, isso torna natural que os países membros falem em renovar as regras do comércio para adaptá-las às condições atuais."

Leia também:
Ainda não se sabe a duração da imunidade das vacinas, diz vice-diretora da OMS
Bolsonaro diz que irá revelar países que compram madeira ilegal da Amazônia
5 fatos: Bolsonaro na reunião de cúpula do Brics e mais da tarde de 17 de novembro

Dentre essas reivindicações reformistas dentro da Organização, se destacam as da área de subsídios indústrias e subsídios agrícolas. “A OMC funciona não só como um foro de negociação entre os países, mas também como um tribunal. O Brasil já recorreu a esse tribunal em casos importantes”, ele lembra, “é preciso também pensar na reforma do tribunal da OMC.” Atualmente, o tribunal se encontra comprometido pois os Estados Unidos se opõem à nomeação de juízes. 

Sede da Organização Mundial do Comércio (OMC), em Genebra, na Suíça
Foto: Divulgação/OMC

“A definição de países ricos e países pobres é muito complexa, o que eram países em desenvolvimento há 25 anos atrás não são necessariamente hoje”, ele fala. Países considerados desenvolvidos -- como EUA, Japão, países da União Europeia – consideram que essas definições devem ser revistas.  

“A OMC não privilegia um ou outro, ela é um foro de discussão”, completa Victor. 

*sob supervisão de Layanne Serrano