Portugal vai suspender viagens e fechar escolas antes de feriados nacionais


Reuters
21 de novembro de 2020 às 17:13 | Atualizado 21 de novembro de 2020 às 17:50
Homem de máscara para prevenir contágio pelo novo coronavírus em Lisboa, capital
Homem de máscara para prevenir contágio pelo novo coronavírus em Lisboa, capital de Portugal
Foto: Rafael Marchante/Reuters

Portugal vai suspender viagens domésticas e fechar escolas perto de dois feriados nacionais em uma tentativa de reduzir a transmissão do novo coronavírus antes do Natal, anunciou o primeiro-ministro Antonio Costa neste sábado (21). 

Viagens intermunicipais serão suspensas das 23h de 27 de novembro até 5h de 2 de dezembro, e então, de novo, das 23h em 4 de dezembro até 5h de 9 de dezembro, para minimizar a movimentação nos feriados nacionais nos dias 1º e 8 de dezembro. 

Escolas fecharão nas segundas-feiras antes de ambos os feriados e o comércio deve fechar mais cedo. Empregadores estão sendo encorajados a dar folga aos funcionários para reduzir a atividade de viagens.

Leia também:

Portugal aprova ampliação de emergência contra Covid-19 e cogita novas medidas

Bares e restaurantes de Lisboa protestam contra restrições:'não aguentamos mais'

"Continuamos a ter um número muito alto de casos, o que é uma ameaça à nossa saúde", disse Costa em uma entrevista coletiva. "Precisamos persistir não só para frear a taxa de crescimento, mas para invertê-la".

Máscaras, que já eram obrigatórias em locais públicos e comércios fechados, também serão obrigatórias no local de trabalho, disse Costa. A fiscalização vai aumentar para garantir que aqueles que podem estão trabalhando remotamente.

Um toque de recolher à noite e um lockdown nos fins de semana após as 13h, em vigor desde 9 de novembro em 191 municípios, vão continuar valendo em 174 com taxas altas de infecção por mais duas semanas.

Portugal registrou 62 mortes e 6.472 casos de Covid-19 neste sábado, principalmente concentrados no norte do país, levando o total de infecções para 255.970, com 3.824 mortes.

O número de casos tem crescido de maneira significativa desde o fim de setembro, com a média de casos diários aumentando de 300 no verão para 6.000 nas últimas semanas, apesar da testagem só ter, aproximadamente, triplicado, mostram dados do ministério da Saúde.

O país, com cerca de 10 milhões de moradores, é o sétimo da Europa com mais casos por 100 mil habitantes e o 14º por número de mortes, de acordo com números do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças.