G20 pode suspender a dívida de países pobres por mais seis meses, se necessário


Natália Flach, da CNN Brasil
22 de novembro de 2020 às 14:33
Bandeiras dos países do G20 em cúpula em Cannes (03/11/2011)
Bandeiras dos países do G20 no início da Cúpula das 20 principais economias mundiais em Cannes (03/11/2011)
Foto: Dylan Martinez/Reuters


A crise provocada pela pandemia do novo coronavírus aumentou o hiato entre as economias avançadas e em desenvolvimento. Na reunião do G20, os países membros se comprometeram a examinar até o próximo encontro em 2021 a situação econômica e financeira dos países mais pobres para definir se devem estender por outros seis meses a suspensão do pagamento do serviço da dívida bilateral (DSSI). Até o momento, o prazo é junho do ano que vem.

Até 13 de novembro, 46 países já tinham solicitado essa medida, totalizando cerca de US$ 5,7 bilhões de diferimento do serviço da dívida em 2020. "Todos os credores bilaterais oficiais devem implementar esta iniciativa de forma plena e transparente", diz o documento final da reunião do G20.

De acordo com o comunicado escrito pelos países membros, neste domingo (22), a saída para a crise sanitária e econômica se dará pela "ação global coordenada, a solidariedade e a cooperação multilateral".

Com base nas estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), os esforços do G20 para estender temporariamente as medidas de proteção social apoiaram o sustento de quase 645 milhões de pessoas.

Leia também:
Acordos comerciais sofrem influência de agenda ambiental, diz Bolsonaro no G20
Líderes do G20 nivelam importância da sustentabilidade à da pandemia

"A atividade econômica global tem se recuperado parcialmente, à medida em que nossas economias se reabriram de forma gradual e o impacto positivo de nossas ações políticas significativas começou a se materializar. No entanto, a recuperação é desigual, altamente incerta e sujeita a elevados riscos de queda, incluindo aqueles decorrentes de novos surtos de vírus em algumas economias, com alguns países reintroduzindo medidas restritivas de saúde", diz o documento.

Nesse sentido, os países do grupo reafirmaram que vão continuar usando todas as ferramentas de políticas para "salvaguardar a vida, o emprego e a renda das pessoas, apoiar a recuperação econômica global e aumentar a resiliência do sistema financeiro, ao mesmo tempo nos protegendo contra os riscos de queda".

Veja abaixo alguns pontos das resoluções do encontro:

Saúde: Comprometemo-nos a promover a preparação, prevenção, detecção e resposta a pandemias globais. Sistemas de saúde de bom funcionamento, baseados em valor, inclusivos e resilientes são essenciais para avançar em direção ao acesso universal à saúde. Reconfirmamos a importância do financiamento da cobertura universal de saúde nos países em desenvolvimento.

Comércio e investimento: O apoio ao sistema multilateral de comércio é agora mais importante do que nunca. Esforçamo-nos para atingir o objetivo de um ambiente de comércio e investimento livre, justo, inclusivo, não-discriminatório, transparente, previsível e estável e para manter nossos mercados abertos. Continuaremos a trabalhar para garantir condições de concorrência equitativas, a fim de promover um ambiente de negócios favorável. Reconhecemos a necessidade de aumentar a sustentabilidade e a resiliência das cadeias de abastecimento nacionais, regionais e globais que fomentam a integração sustentável no sistema comercial dos países em desenvolvimento e menos desenvolvidos, e compartilhamos o objetivo de promover o crescimento econômico inclusivo, até mesmo por meio do aumento da participação de micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) no comércio e investimento internacionais. 

Transporte e viagens: Comprometemo-nos a garantir que as rotas globais de transporte e cadeias de abastecimento permaneçam abertas, seguras e protegidas, e que quaisquer medidas restritivas relacionadas à Covid-19, incluindo para tripulações aéreas e marítimas, sejam direcionadas, proporcionais, transparentes, temporárias, e de acordo com as obrigações decorrentes de acordos internacionais.

Arquitetura financeira internacional: Fortaleceremos a resiliência financeira de longo prazo e apoiaremos o crescimento, inclusive por meio da promoção de fluxos de capital sustentáveis ??e do desenvolvimento de mercados de capitais domésticos.

Investimentos em infraestrutura: a infraestrutura é um motor de crescimento e prosperidade e é crucial para promover a recuperação econômica e a resiliência. 

Questões do setor financeiro: A pandemia reafirmou a necessidade de aprimorar os arranjos globais de pagamento transfronteiriço para facilitar transações de pagamento mais baratas, rápidas, inclusivas e transparentes, inclusive para remessas. Aguardamos com expectativa o trabalho futuro do FMI sobre as implicações macrofinanceiras das moedas digitais e as chamadas "moedas estáveis globais".

Economia digital: conectividade, tecnologias digitais e políticas têm desempenhado um papel fundamental no fortalecimento de nossa resposta à pandemia e na facilitação da continuação da atividade econômica.  Reconhecemos que a conectividade universal, segura e acessível é um capacitador fundamental para a economia digital, bem como um catalisador para o crescimento inclusivo, inovação e desenvolvimento sustentável.

Tributação internacional: Continuaremos nossa cooperação para um sistema tributário internacional moderno, sustentável e justo. 

Desenvolvimento sustentável: O impacto social e econômico da pandemia torna ainda mais urgente acelerar os esforços para acabar com a pobreza e combater as desigualdades e trabalhar para garantir que ninguém seja deixado para trás. Estamos determinados a apoiar os países africanos na superação da crise, inclusive explorando opções de financiamento mais sustentáveis ??para o crescimento na África. Reiteramos nosso apoio contínuo à Iniciativa do G20 de Apoio à Industrialização na África e nos países menos desenvolvidos, a Parceria do G20 na África e o Pacto com a África, e outras iniciativas relevantes.

Acesso a oportunidades: Esta crise continua a ter um impacto econômico e social desproporcional sobre os segmentos mais vulneráveis ??da sociedade, reforçando a necessidade de aumentar o acesso a oportunidades para todos. Continuaremos nossos esforços para reduzir as desigualdades, reafirmando nossos compromissos anteriores para promoção do crescimento inclusivo. 

Emprego: enfrentar o impacto devastador da pandemia nos mercados de trabalho continua sendo nossa prioridade, à medida que milhões de trabalhadores continuam enfrentando perda de empregos e renda. Reconhecemos a importância de proteger e promover empregos decentes para todos, especialmente para mulheres e jovens. Apoiamos o acesso à proteção social abrangente, robusta e adaptável para todos, incluindo aqueles na economia informal, e endossamos o uso das Opções de Políticas para Adaptação da Proteção Social para Refletir a Mudança dos Padrões de Trabalho. Continuaremos nossos esforços para erradicar o trabalho infantil, o trabalho forçado, o tráfico de pessoas e a escravidão moderna no mundo do trabalho.

Empoderamento feminino: Continuaremos a promover a igualdade de gênero, bem como a combater os estereótipos, reduzir as disparidades salariais e enfrentar a distribuição desigual do trabalho não-remunerado e das responsabilidades de cuidado entre homens e mulheres. Vamos intensificar nossos esforços para atingir a Meta de Brisbane de reduzir em 25% até 2025 a disparidade na participação no mercado de trabalho entre homens e mulheres, juntamente com a melhoria da qualidade do emprego feminino.

Educação: É a base do desenvolvimento pessoal, pois fornece a crianças, jovens e adultos os conhecimentos, habilidades, atitudes e valores necessários para atingir seu pleno potencial. Afirmamos a importância de melhorar a acessibilidade e o custo da educação infantil pré-primária de qualidade e construir e reter uma força de trabalho qualificada. Reconhecemos o valor de promover a internacionalização na educação, respeitando as leis, regras e políticas nacionais e subnacionais.

Migração e deslocamento forçado: Enfatizamos a importância de ações compartilhadas para: mitigar o impacto da pandemia nas pessoas em situação de vulnerabilidade, o que pode incluir refugiados, migrantes e pessoas deslocadas forçosamente; responder às crescentes necessidades humanitárias; e abordar as causas básicas do deslocamento.

Meio ambiente, energia, clima: Prevenir a degradação ambiental, conservar, usar de forma sustentável e restaurar a biodiversidade, preservar nossos oceanos, promover ar puro e água limpa, responder a desastres naturais e eventos climáticos extremos e combater as mudanças climáticas estão entre os desafios mais urgentes do nosso tempo. Enquanto nos recuperamos da pandemia, estamos comprometidos em proteger nosso planeta e construir um futuro mais sustentável ambientalmente e mais inclusivo para todas as pessoas.