Infecções por Covid-19 caíram 30% no Reino Unido durante lockdown, aponta estudo

Pesquisa mostra que taxa R (de transmissão) caiu para abaixo de 1, ‘o que significa que a pandemia no país está diminuindo ao invés de aumentando'

Da CNN
30 de novembro de 2020 às 07:04 | Atualizado 30 de novembro de 2020 às 13:42

 

As infecções por Covid-19 caíram cerca 30% no Reino Unido durante o segundo lockdown (bloqueio total) nacional instituído, aponta uma nova pesquisa divulgada nesta segunda-feira (30).

O estudo foi conduzido pela instituição britânica Imperial College e a empresa de pesquisa Ipsos MORI, do programa Avaliação em Tempo Real de Transmissão Comunitária.

Assista e leia também:
Segunda onda da Covid-19 avança e Europa tem recorde de casos e mortes
Japão teve mais mortes por suicídio em outubro do que por Covid-19 em todo o ano
Qual a possibilidade de ter Covid-19 duas vezes? Infectologista explica

Ao fundo, o Parlamento britânico, em Londres
Foto: Andrew Winning - 24.set.2013 / Reuters


Testes de cotonetes realizados em mais de 105 mil pessoas mostraram que as infecções pelo novo coronavírus estão diminuindo, informou a Imperial College em seu site oficial.

A pesquisa inclui resultados de testes para o diagnóstico da doença realizados entre 13 e 24 de novembro. Eles apontam que “cerca 0,96% da população do Reino Unido tem o vírus, ou quase 1 em cada 100 pessoas”.

“Isso representa aproximadamente uma queda de 30% no número de infecções, comparada às descobertas anteriores, em que mais de 1 em cada 80, ou 1,3% das pessoas, tinha o vírus desde 2 de novembro”, de acordo com o estudo.

“Estamos vendo uma queda nas infecções em nível nacional e principalmente em regiões que foram mais afetadas anteriormente. Essa tendência sugere que a abordagem em camadas ajudou a conter as infecções naquelas áreas e que o lockdown contribuiu para isso”, afirmou Paul Elliot, diretor do programa na Imperial College.

Segundo a pesquisa, a taxa R (de transmissão) caiu para abaixo de 1, cerca de 0,88, “o que significa que a pandemia no país está atualmente diminuindo ao invés de aumentando”.

(Com informações de Sharon Braithwaite, da CNN, em Pisa, na Itália)